Operação Lava-Jato

Delator diz que procurador da República recebia mensalinho de R$ 50 mil

Diretor-Jurídico e presidente da JBS jantaram com membro do Ministério Público Federal para tratar de processos judiciais da empresa

20/05/2017 - 16h06min | Atualizada em 20/05/2017 - 16h21min
Delator diz que procurador da República recebia mensalinho de R$ 50 mil Júlio Cordeiro/Agencia RBS
Joesley Batista disse que subornou integrante da Operação Greenfield, que recebia para passar informações Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS  

Um dos pontos mais delicados da delação feita pelos dirigentes da atacadista de carnes JBS foi a revelação de que um procurador da República informava os criminosos sobre os passos do Ministério Público Federal (MPF).

A informação, repassada por Joesley Batista, fundador da JBS, levou à prisão do procurador da República Ângelo Goulart Vilella. Ele fazia parte da força-tarefa da Operação Greenfield, que investiga um esquema de uso irregular de dinheiro de fundos de pensão.

Vilella chegou a jantar com Joesley, mesmo sabendo que ele era o grande investigado da operação. Joesley inclusive tirou foto dele, enquanto tomavam vinho, no encontro noturno em Brasília. Participaram da janta o advogado Willer Tomaz (que defendia uma empresa de Joesley, a Florestal Eldorado, num processo judicial) e o diretor-jurídico da JBS, Francisco de Assis e Silva.

Silva e Joesley se transformaram em colaboradores premiados da Justiça Federal e delataram que o procurador Vilella era seu informante. A aproximação entre eles e o integrante do MPF se deu por meio do advogado Tomaz.

Conforme Francisco Silva, o advogado Willer Tomaz pagava "um mensalinho" de R$ 50 mil ao procurador da República para que esse o informasse sobre os passos da Operação Greenfield. A recompensa de Tomaz seriam R$ 2 milhões se vencesse a causa - outros R$ 2 milhões ele cobrou antecipado, apenas pela defesa prévia.

Francisco Silva informou, em depoimento à Justiça, que o procurador gravou uma das reuniões da força-tarefa da Greenfield e repassou o vídeo ao advogado Willer Tomaz, que depois o passou a Joesley Batista.Após a delação, o recebimento dos vídeos da reunião no MPF e também da foto que prova a participação do integrante do MPF com os investigados, a Justiça Federal decretou a prisão do procurador Ângelo Vilella. Ele também foi exonerado de suas funções a pedido do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot.

Leia mais:
Procurador da República é preso por colaborar com JBS
Janot reclama de "gosto amargo" após ordenar prisão de colaborador

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.