Política

Em nota, Aécio Neves diz estar "absolutamente tranquilo"

Senador ainda afirmou que relação com Joesley Batista era "estritamente pessoal"

18/05/2017 - 01h56min
Em nota, Aécio Neves diz estar "absolutamente tranquilo" Ricardo Duarte/Agencia RBS
Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS  
O senador Aécio Neves (PSDB-MG) divulgou uma nota nas redes sociais, nesta quarta-feira (17), respondendo à reportagem do jornal O Globo, que aponta que o dono da empresa JBS, Joesley Batista, entregou à Procuradoria-Geral da República (PGR), uma gravação mostrando que o senador pediu R$ 2 milhões ao empresário para pagar despesas com sua defesa na Operação Lava-Jato.

A manifestação afirma que Aécio "está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos" e diz que a relação com o empresário era estritamente pessoal e sem envolvimento com o setor público. A nota encerra falando que o político vai esperar para ouvir o áudio antes de trazer mais explicações.

Leia mais:
No Twitter, Lula posta fotos de Moro com Temer e Aécio
Imprensa internacional repercute gravação da JBS que incrimina Temer
Após vazamento de delação, protestos contra Temer são registrados pelo país

Confira a nota na íntegra

O senador Aécio Neves está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos. No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público. O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários.

O que diz a reportagem

O encontro entre o executivo e Aécio teria ocorrido em 24 de março, em um hotel em São Paulo. No áudio, de cerca de 30 minutos, o líder tucano afirma que o criminalista Alberto Toron será o seu advogado de defesa. Após o acerto do pagamento, o dono da JBS perguntou quem seria o responsável por pegar as malas com os dinheiros:

"Se for você a pegar em mãos, vou eu mesmo entregar. Mas, se você mandar alguém de sua confiança, mando alguém da minha confiança", propôs Joesley.

Em resposta ao questionamento Aécio faz uma forte afirmação ao indicar seu primo para receber o dinheiro:

"Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do caralho".

O primo de Aécio recebeu o dinheiro do diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, que também firmou acordo de delação. Um rastreamento feito pela PF mostra que o dinheiro foi depositado em uma empresa do senador Zezé Perrella (PSDB-MG).
 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.