Presidente emparedado 

Especialistas avaliam renúncia de Michel Temer

Opção menos traumática para amenizar a crise política no país, ponderam, seria pedido voluntário de Temer para sair

18/05/2017 - 21h51min | Atualizada em 19/05/2017 - 11h07min
Especialistas avaliam renúncia de Michel Temer Fernando Frazão/Agência Brasil
Benjamin liberou para julgamento ação contra a chapa Dilma-Temer Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil  

Alternativas para amenizar a mais nova crise política do país, caso o Planalto não seja capaz de domá-la nos próximos dias, passam pela saída do cargo do presidente Michel Temer, segundo especialistas ouvidos por ZH. Do ponto de vista jurídico, o que está mais próximo é o julgamento da ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pede a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer e tem data marcada para o dia 6 de junho. Do ponto de vista político, pelo quadro vivido pelo país nos últimos dois dias, a possibilidade mais defendida é a renúncia.

É unânime o entendimento dos especialistas de que o Brasil, em caso de perda de condições de Temer, paralisaria com mais um impeachment. A possibilidade que evitaria novo e moroso procedimento seria a cassação da chapa no julgamento do TSE, alternativa que também não é vista como menos traumática para o país. Na terça-feira, o relator do caso, Herman Benjamin, solicitou quatro sessões para o julgamento da ação, impetrada em dezembro de 2014 pelo PSDB.

— Qualquer outro caminho que não o da renúncia será doloroso. Embora o processo do TSE esteja pronto para ser julgado, não é possível garantir que será julgado logo porque pode haver pedido de vistas (por parte dos ministros) que podem alongar o julgamento por mais de um ano — opina o professor de Direito Constitucional da Unisinos Leonardo Grison.

Leia mais
ÁUDIO: ouça a íntegra da gravação do diálogo de Temer e dono da JBS
"Não renunciarei", afirma Temer em pronunciamento
Rosane de Oliveira: Temer deixa brecha para o futuro

No entendimento do especialista em Direito Eleitoral João Fernando Lopes de Carvalho, o processo do TSE, que até quarta-feira era encarado como puramente eleitoral, sofrerá influência do novo cenário que se desenha desde quarta-feira à noite:

— Esse processo sempre foi encarado pelos integrantes do TSE, e até pelo presidente Gilmar Mendes, com cuidado para não trazer uma situação de nova crise para o Brasil. Mas, agora, o que parece é que essa crise já se instalou.

Segundo Carvalho, o pedido de vista pelos ministros, comum em casos complexos, pode atrasar a decisão final. O professor de Direito Constitucional da Fundação Escola Superior do Ministério Público (FMP) Luiz Fernando Calil de Freitas vai além: aposta que o TSE não vai cassar a chapa por influência de Gilmar Mendes:

— A força dele é muito grande, já se impôs muito, desde o episódio do impeachment de Dilma, e deixou claro sua posição favorável ao PSDB. Acredito que isso vá influenciar.

Mesmo com o cenário político em ebulição, Grison avalia que não há possibilidade de adiantamento da data do julgamento. Isso, opina, além de atropelar os prazos já estabelecidos, poderia passar a imagem de que o julgamento é político e não jurídico.

Para Carvalho, também é pouco provável que haja antecipação da decisão. Ele aposta que o TSE optará pela cassação do mandato de Temer e a aplicação de sanção de ilegibilidade de oito anos a partir do final do mandato para Dilma, pois não há elemento que indique participação individual dos fatos em relação ao presidente.

Com a existência de áudios de conversas grampeadas, não há nenhuma possibilidade de permanência de Temer na Presidência, assegura o presidente da OAB-RS, Ricardo Breier.

Se houver opção pelo impeachment ou pelo processo do TSE, será evidente, segundo ele, que Temer não estará preocupado com o país e, sim, em permanecer no cargo para não perder suas prerrogativas:

— Se Temer pensa na República, não pode permanecer. 


Leia as últimas notícias de Política



 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.