Depoimento ao TSE

Mantega chama Marcelo Odebrecht de "ficcionista frustrado"

Ex-ministro da Fazenda negou que tenha solicitado ao empreiteiro doações ao PT ou à campanha de Dilma Rousseff à Presidência, em 2014 

Por: Estadão Conteúdo
02/05/2017 - 12h21min | Atualizada em 02/05/2017 - 12h38min
Mantega chama Marcelo Odebrecht de "ficcionista frustrado" Elza Fiuza / Genaro Joner / Agência Brasil / Agência RBS/Agência Brasil / Agência RBS
Ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega (à esquerda), e ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht (à direita) Foto: Elza Fiuza / Genaro Joner / Agência Brasil / Agência RBS / Agência Brasil / Agência RBS  

Em depoimento prestado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega disse que não pediu ao empreiteiro Marcelo Odebrecht doações nem ao PT nem à campanha de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República em 2014.

Mantega negou que tenha se envolvido na captação de recursos da campanha e sustentou que sua participação foi restrita à formulação de propostas econômicas e à preparação de respostas para debates eleitorais de Dilma. No depoimento, o ex-ministro chamou Marcelo Odebrecht de "ficcionista frustrado".

— Captação de recursos para a campanha, não, porque a campanha tinha uma coordenação e um tesoureiro. Cabia ao tesoureiro cumprir essa função. Mesmo porque também eu estava exercendo a atividade de ministro da Fazenda, que eu posso dizer que não é uma atividade simples e que me absorve a maior parte do tempo — disse Mantega. — Não pedi doações nem ao PT e nem à campanha da Dilma — frisou.

Leia mais
Marcelo Odebrecht reconhece que a relação com Mantega "era errada"
Dilma escalou Cardozo e Mantega para resolver impasse, diz Odebrecht
Mantega pediu R$ 100 mi para a campanha de Dilma em 2014, diz Odebrecht

O executivo Marcelo Odebrecht, herdeiro e ex-presidente do grupo que leva seu sobrenome, disse em depoimento à Justiça Eleitoral, que o valor acertado para a campanha presidencial da chapa reeleita em 2014 foi de R$ 150 milhões. Deste total, de acordo com o empresário, R$ 50 milhões eram uma contrapartida à votação da Medida Provisória do Refis, encaminhada ao Congresso em 2009, e que beneficiou a Braskem, empresa controlada pela Odebrecht e que atua na área de química e petroquímica.

— Eu tenho a impressão de que o sr. Marcelo é um ficcionista frustrado. Ele deveria ter entrado para essa profissão, porque ele cria fatos e a maioria deles inverossímeis — disse Mantega, ao ser indagado sobre as declarações de Marcelo Odebrecht.

O ex-ministro disse que em algumas ocasiões Marcelo Odebrecht lhe falou que queria fazer doações de campanha. 

— Aí eu disse a ele: muito bem, sempre é necessário. Os partidos precisam de recursos, porém, eu disse, eu não sou a pessoa adequada para isso, tem os canais adequados e desde que seja uma doação legal. Mas algumas vezes ele fez essa abordagem — relatou Mantega. — A minha impressão era de que ele queria mostrar serviço, que ele estava querendo ajudar a reeleição da Dilma, embora nós sabemos que ele não tinha nenhuma simpatia pela presidenta — observou o ex-ministro.

Leia as últimas notícias de Política

*Estadão Conteúdo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.