Soltura sob restrições

Moro determina que Dirceu deixe a prisão com tornozeleira eletrônica

Na terça-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) revogou a prisão do ex-ministro-chefe da Casa Civil

Por: Estadão Conteúdo
03/05/2017 - 12h10min | Atualizada em 03/05/2017 - 13h04min
Moro determina que Dirceu deixe a prisão com tornozeleira eletrônica DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO
Até o meio-dia desta quarta-feira, Dirceu ainda não havia deixado a prisão onde está recluso desde 2015 Foto: DIDA SAMPAIO / ESTADÃO CONTEÚDO  

O juiz federal Sergio Moro, da Operação Lava-Jato, determinou que o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu deixe a prisão com tornozeleira eletrônica. Esta é uma das medidas cautelares impostas pelo magistrado ao petista, condenado a 32 anos e um mês de prisão na Lava-Jato.

Na noite de terça-feira, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) revogou a prisão de Dirceu. Dirceu poderá sair a qualquer momento desta quarta-feira (3) do Complexo Médico Penal de Pinhais, nos arredores de Curitiba, onde estava preso desde 3 de agosto de 2015. Ao mandar colocar tornozeleira no ex-ministro, o juiz Moro apontou para "natural receio" de fuga.

Leia mais:
Em carta escrita na prisão, Dirceu defende guinada à esquerda do PT
Promotor e advogado divergem sobre liberdade de Dirceu
Nova denúncia contra Dirceu "é o rabo abanando o cachorro", diz Gilmar Mendes

"Considerando que José Dirceu de Oliveira e Silva já está condenado a penas totais de cerca de trinta e dois anos e um mês de reclusão, há um natural receio de que, colocado em liberdade, venha a furtar-se da aplicação da lei penal. A prudência recomenda então a sua submissão à vigilância eletrônica e que tenha seus deslocamentos controlados. Embora tais medidas não previnam totalmente eventual fuga, pelo menos a dificultam. Assim, deverá o condenado utilizar tornozeleira eletrônica", decidiu.

O juiz proibiu Dirceu de sair da cidade onde mora, Vinhedo, no interior de São Paulo. Mas não impôs ao ex-ministro regime de prisão domiciliar. "Não fixo prisão domiciliar por entender que a gravidade em concreto dos crimes pelos quais foi condenado, e que incluem o recebimento de vantagem indevida, propina de cerca de R$ 4.977.337,00 que teria lhe sido repassada diretamente, isso somente na ação penal 5045241-84.2015.4.04.7000, e isso mesmo no período em que era julgado pelo Plenário do Egrégio Supremo Tribunal Federal na Ação Penal 470, não autorizam que cumpra a pena em casa, o que seria o efeito prático do recolhimento domiciliar, considerando a detração", anota o magistrado.

Moro mandou o ex-ministro entregar o passaporte e proibiu Dirceu de manter contato com outros investigados e testemunhas das ações penais das quais faz parte, "a fim de preservar as investigações sobre crimes em andamento". "Excetuo por evidente o contato com as suas eventuais testemunhas de defesa por intermédio do defensor constituído", finalizou Moro.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.