Um mês antes

Temer vazou a Joesley informação de que juros cairiam 1 ponto no Copom de abril

Entre os assuntos listados na delação sobre o encontro entre o presidente e o empresário, antecipação do corte da Selic é enumerado como o primeiro item

Por: Estadão Conteúdo
19/05/2017 - 12h17min | Atualizada em 19/05/2017 - 12h17min
Temer vazou a Joesley informação de que juros cairiam 1 ponto no Copom de abril EVARISTO SA/AFP
Foto: EVARISTO SA / AFP  

Um dos anexos da delação premiada de Joesley Batista, da JBS, cita que o presidente Michel Temer (PMDB) se encontrou com o empresário no dia 7 de março deste ano e vazou a informação de que os juros cairiam 1% na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, no mês seguinte.

O encontro entre o presidente e o empresário ocorreu no Palácio do Jaburu, em Brasília, às 22h30min daquele dia, e foi agendado pelo deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), aliado de Temer, segundo a delação.

Leia mais
ÁUDIOS: Ouça a íntegra da gravação do diálogo de Temer e dono da JBS
Quais são os possíveis cenários se Temer cair e quem pode sucedê-lo
Os cinco assuntos que o dono da JBS diz ter tratado com Temer

Entre os assuntos listados na delação sobre o encontro, a antecipação do corte da Selic é listada como o primeiro item: "comentários gerais sobre assuntos econômicos, havendo Temer vazado a informação de que os juros cairiam 1% na próxima reunião do Copom". A reunião do Copom ocorreu pouco mais de um mês depois, no dia 12 de abril, quando o BC resolveu cortar a taxa básica de juros em um ponto porcentual, para 11,25% ao ano.

Foi neste mesmo encontro que Joesley Batista procurou tranquilizar Temer sobre o risco de delações premiadas e disse que estava "cuidando" do ex-deputado Eduardo Cunha e de Lucio Funaro, ao que o presidente respondeu: "importante manter isso". O anexo da delação relata que o empresário disse, ainda, que estava "tranquilo" em relação às investigação contra ele porque entrou "em ajustes com autoridades do sistema de Justiça".

Na mesma conversa, segundo o documento da colaboração, o empresário relatou que estava pedindo celeridade na aprovação de leis que anistiassem o caixa 2 e atualizassem a legislação sobre o abuso de autoridade. "Não havia segurança de que as coisas se manteriam tranquilas para ele por muito mais tempo, tudo como forma de preservar o canal", diz o documento.

Na sequência, Joesley pediu a Temer que indicasse um interlocutor para tratar de assuntos entre os dois. Foi aí que Temer indicou Rodrigo Rocha Louros, "dizendo que era pessoa de sua mais estrita confiança".

O empresário pediu ao presidente que "encontrasse solução" com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para os assuntos do Grupo JBS. Ele exemplificou com temas relativos ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), vinculado ao Ministério da Justiça, e à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), diz o anexo.

O empresário indicou, por fim, que o método para a visita — durante horário noturno avançado e entrada discreta — havia funcionado bem e poderia ser aplicado em outras ocasiões, o que Temer concordou, segundo a delação.

Os documentos foram entregues à Procuradoria-Geral da República (PGR) e divulgados pelo site O Antagonista e republicados pelo blog do jornalista Fausto Macedo, do jornal O Estado de S. Paulo. O anexo 9 trata do presidente e tem como título: "Fatos diretamente corroborados por elementos especiais de prova Michel Temer".

Leia as últimas notícias sobre a delação da JBS

*Estadão Conteúdo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.