Delação da JBS

Terremoto no Poder: saiba o que ocorreu durante esta terça-feira

Mala entregue com dinheiro a menos, confusão no Senado e Aécio Neves tentando se defender foram os assuntos desta tarde na crise política

23/05/2017 - 22h02min | Atualizada em 23/05/2017 - 22h02min

Veja o que ocorreu durante esta terça-feira (23):

Senador Randolfe Rodrigues chegou a subir em mesa da comissão Foto: Alessandro Dantas / AGPT

A sessão da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, que discutia o relatório da reforma trabalhista, foi marcada por discussões e até mesmo empurrões, refletindo o clima de tensão que impera em Brasília após a delação da JBS. Asssim que o relator,Ricardo Ferraço (PSDB-ES), sentou à mesa para apresentar o parecer, na tarde desta terça-feira (23), senadores da oposição e manifestantes começaram a protestar aos gritos, começando uma confusão generalizada. Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Ataídes Oliveira (PSDB) quase se agrediram fisicamente, e outros parlamentares tiveram de apartá-los. Ao final da confusão, Ferraço deu o parecer como lido e confirmou que a votação no colegiado está agendada para a próxima terça-feira (30).

Leia mais
CRONOLOGIA: entenda a polêmica da gravação da conversa de Temer e Joesley
Cinco perguntas sem resposta na delação da JBS que abalou Brasília
ÁUDIOS: Ouça a íntegra da gravação do diálogo de Temer e dono da JBS

R$ 35 mil a menos na mala entregue por Loures

Na tarde desta terça-feira, a Polícia Federal (PF) afirmou que a mala entregue pela defesa do deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), pela manhã, continha apenas R$ 465 mil. Segundo os investigadores, em abril, Loures recebeu R$ 500 mil dentro do objeto enviado pelo empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS. No documento em que atestou a apreensão, os policiais contaram 9.300 notas de R$ 50. Os advogados do parlamentar afastado não se manifestaram sobre a falta dos R$ 35 mil.

Aécio tenta retomar mandato como senador

Em vídeo divulgado no início da noite, senador afastado disse ser vítima de armação Foto: internet / Reprodução

O senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) tenta retomar seu mandato no Senado em meio à crise política que atinge Brasília. A defesa do tucano recorreu, nesta terça-feira (23), ao Supremo Tribunal Federal (STF) para revogar a decisão que afastou o parlamentar do cargo. Na semana passada, ao atender a um pedido cautelar da Procuradoria-Geral da República (PGR), o ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato na Corte, decidiu afastar Aécio das funções parlamentares após o senador ter sido gravado em uma conversa com o empresário Joesley Batista. No começo da noite, o tucano publicou um vídeo em seu Facebook alegando ser vítima uma "armação" da JB.

Irmã de Aécio pede liberdade e diz que não ser responsabilizada pelo irmão

A defesa de Andrea Neves, irmã do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), entrou com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF), nesta terça-feira (23), pedindo a revogação de sua prisão. Na solicitação, o advogado de Andrea pede a substituição do confinamento por medidas cautelares de liberdade e afirma que sua cliente não pode ser responsabilizada por todos atos ilícitos supostamente praticados por seu irmão.

PT recebeu a maior parte das doações da JBS

Dos 28 partidos que a JBS ajudou a financiar em eleições, o que mais recebeu verbas do conglomerado de beneficiamento de carnes é o PT. Os petistas foram favorecidos com R$ 172,2 milhões de 2006 a 2014, redistribuídos entre centenas de candidatos país afora. O segundo lugar é do PSDB, com R$ 79,6 milhões captados oficialmente junto à JBS. Os dados estão em planilha apresentada pelos dirigentes da JBS na delação premiada firmada com a Justiça Federal. 

Renan defende Jobim ou Barbosa para lugar de Temer

Líder do PMDB defende abertamente a substituição de Temer por eleição indireta Foto: Marcos Oliveira / Agência Senado/Divulgação

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), passou a defender abertamente, nesta terça-feira (23), a substituição de Michel Temer na Presidência da República. A favor de eleições indiretas, realizadas pelo Congresso, o senador defendeu os nomes dos ex-ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Nelson Jobim e Joaquim Barbosa para presidente. O senador sugeriu ainda que, pela representatividade de seu Estado, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, concorresse às eleições. 

Janot diz que delação de integrantes da JBS é maior do que áudios gravados

Em meio aos questionemos em relação ao áudio que mostra conversa do empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, e o presidente Michel Temer, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, escreveu artigo para o portal UOL no qual defende o acordo firmado com os empresários do Grupo J&F, comandado por Batista. No texto, Janot aponta que delação é "muito maior que os áudios questionados", justifica a concessão de imunidade penal aos delatores e diz estar "convicto" de que tomou a decisão correta no caso. 

Leia as últimas notícias sobre a delação da JBS


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.