Lava-Jato

"A lei ainda está acima de você", diz Moro a Lula

Juiz decidiu pela condenação do ex-presidente por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Por: Rádio Gaúcha
12/07/2017 - 15h49min | Atualizada em 12/07/2017 - 15h51min
"A lei ainda está acima de você", diz Moro a Lula Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Sergio Moro citou o ditado de que "não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você" para justificar a condenação de Lula.  Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil  

Na sentença em que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o juiz Sergio Moro citou o ditado de que "não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você" para justificar a decisão. A sentença foi divulgada na tarde desta quarta-feira pela Justiça Federal de Curitiba.

"Registre-se que a presente condenação não traz a este julgador qualquer satisfação pessoal, pelo contrário. É de todo lamentável que um ex-Presidente da República seja condenado criminalmente, mas a causa disso são os crimes por ele praticados e a culpa não é da regular aplicação da lei. Prevalece, enfim, o ditado 'não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você' (uma adaptação livre de 'be you never so high, the law is above you')", escreveu na conclusão da sentença.

Leia mais:
Apesar de condenação, Moro não decreta prisão de Lula
Veja a íntegra da decisão de Moro que condena Lula
Lula é condenado a nove anos e meio de prisão por Sergio Moro em caso do triplex

Moro também citou ao longo do documento, de 218 páginas, que a prisão de um ex-presidente envolve "certos traumas" e que, por isso, optou por deixar que Lula recorra à segunda instância em liberdade. 

"Aliando esse comportamento com os episódios de orientação a terceiros para destruição de provas, até caberia cogitar a decretação da prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Entretanto, considerando que a prisão cautelar de um ex-presidente da República não deixa de envolver certos traumas, a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela Corte de Apelação antes de se extrair as consequências próprias da condenação", disse o magistrado.

O ex-presidente foi condenado na ação penal que envolve um tríplex no Guarujá, no litoral de São Paulo. O Ministério Público Federal (MPF) acusa Lula de ter se beneficiado de dinheiro desviado da Petrobras na compra e reforma do imóvel da construtora OAS.

"O condenado recebeu vantagem indevida em decorrência do cargo de presidente da República, ou seja, de mandatário maior. A responsabilidade de um presidente da República é enorme e, por conseguinte, também a sua culpabilidade quando pratica crimes", afirmou Moro na decisão.

Na mesma sentença, Lula foi absolvido das acusações de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo o armazenamento do acervo presidencial por uma transportadora, serviço que teria sido pago pela OAS. Além do ex-presidente, outras seis pessoas foram condenadas em primeira instância: 

Condenados

— Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente — condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro;

— Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS — corrupção ativa e lavagem de dinheiro;

— Paulo Gordilho — ex-executivo da OAS: lavagem de dinheiro;

— Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula: lavagem de dinheiro;

— Agenor Franklin Magalhães Medeiros, ex-executivo da OAS: corrupção ativa;

— Fábio Hori Yonamine, ex-presidente da OAS Investimentos: lavagem de dinheiro;

— Roberto Moreira Ferreira, ligado à empreiteira — lavagem de dinheiro.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.