Crise em Brasília 

Mesmo rejeitada pela CCJ, denúncia contra Temer terá de ser votada no plenário da Câmara

Procedimento seguirá o mesmo rito enfrentado pela ex-presidente Dilma Rousseff durante o ano passado

Por: Marcel Hartmann
13/07/2017 - 15h52min | Atualizada em 13/07/2017 - 18h42min
Mesmo rejeitada pela CCJ, denúncia contra Temer terá de ser votada no plenário da Câmara Marcelo Camargo/Agência Brasil
CCJ delibera parecer de Sergio Zveiter (PMDB-RJ) nesta quinta-feira (13) Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil  

Embora tenha sido rejeitada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na tarde desta quinta-feira (13), a denúncia contra Michel Temer precisará ser apreciada pelo plenário da Câmara. O presidente passará pelo mesmo ritual que Dilma Rousseff enfrentou em 2016. 

O debate dos 66 parlamentares da CCJ é apenas uma das fases do processo de impeachment, que ainda depende da votação de deputados. O relatório final da comissão não impede que a denúncia seja apreciada pelos parlamentares, mas dá um "conselho" a todos os 513 deputados para ajudá-los a decidir se a conduta do presidente merece ser investigada. 

O relator do processo na CCJ e colega de partido de Temer, Sergio Zveiter (PMDB-RJ), emitiu parecer recomendando que a denúncia seja recebida pela Câmara, em um forte revés para o presidente. O parecer, porém, foi rejeitado por 40 votos a 25 na comissão.

Leia também:
AO VIVO: acompanhe a leitura do relatório da denúncia contra Temer na CCJ da Câmara
"Temer é um homem honesto, probo, correto e decente", diz Maluf na CCJ
PMDB fecha questão e obriga deputados a rejeitar denúncia contra Temer

Como o parecer de Zveiter foi rejeitado, o presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-RO), nomeou outro relator, o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que precisa redigir um novo parecer, em acordo com a decisão votada pela comissão. É este novo texto que será enviado para o plenário da Câmara. 

A partir daqui, para que a Casa autorize a investigação contra Temer, são necessários os votos de pelo menos 342 dos 413 parlamentares – o equivalente a dois terços.

Se os 342 votos forem alcançados, o STF está autorizado a acolher a denúncia e a admissibilidade do processo irá para votação no plenário da Câmara.

Imagem do plenário durante votação para admissibilidade do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016 Foto: Diego Vara / Agencia RBS

O voto é aberto (ou seja, nominal) e cada parlamentar tem direito a um breve pronunciamento no microfone. No processo de Dilma Rousseff, este foi o momento em que os deputados se aglomeravam ao redor da mesa da presidência, empurravam-se, xingavam-se, exibiam cartazes contra e a favor de Dilma, gritavam slogans e clamavam pela ética na política.

Se não houver votos necessários, o processo é arquivado. Se os votos forem obtidos, Temer é afastado por 180 dias (seis meses) até ser julgado pelo STF. 

Durante esse ínterim, quem assume o Planalto é o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O parlamentar já sinalizou que pretende cancelar o recesso, marcado para a segunda quinzena de julho, para apreciar logo a denúncia. 

Leia as últimas notícias de política

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.