Política

Molon anuncia que entrará com mandado de segurança no STF para levar Janot à CCJ

Deputado disse que judicialização é uma forma de garantir a segurança jurídica do processo

Por: Estadão Conteúdo
06/07/2017 - 17h49min | Atualizada em 06/07/2017 - 19h00min
Molon anuncia que entrará com mandado de segurança no STF para levar Janot à CCJ Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
Molon anunciou que vai entrar com um mandado de segurança no STF para levar Janot à CCJ. Foto: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados  

Diante da sinalização de que o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), vai indeferir o convite para levar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao colegiado, o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) anunciou que vai entrar com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF). No pedido de liminar, Molon vai solicitar que pelo menos Janot e os peritos da Polícia Federal que fizeram o laudo sobre a gravação de Joesley Batista com o presidente Michel Temer sejam ouvidos durante a análise da denúncia contra o presidente.

Molon vai aguardar apenas a formalização da decisão de Pacheco, que mais cedo demonstrou a indisposição de atender o pedido da oposição. O deputado disse que ainda vai decidir se insistirá no mandado de segurança para que haja a oitiva das testemunhas.

Leia mais:
Lava-Jato sofre descentralização, mais do que um desmonte
Em lista de 22 perguntas, Cunha tenta vincular Temer a desvios no FI-FGTS 
"Pessoas tentam desarmonizar poderes do Estado", diz Temer

Ao total, a CCJ recebeu 21 pedidos de realização de audiência pública, sendo cinco deles solicitando o convite para que Janot vá à comissão explicar as razões que motivaram a denúncia contra Temer por crime de corrupção passiva.

Pacheco decidiu que a defesa vai se manifestar duas vezes na comissão pelo mesmo tempo que for destinado ao relator, Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), mas resiste em abrir espaço para a acusação. 

— É o mínimo para se garantir o contraditório — ponderou Molon.

Molon afirma que a judicialização é para garantir a segurança jurídica do processo na CCJ. 

— Nós não temos pressa em concluir a votação — disse o deputado fluminense.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.