Lava-Jato

Planilha da CEF mostra nomes de políticos entre empresas

Reportagem da revista Época mostra registros em meio a questões técnicas. O vice-presidente responsável era Geddel Vieira Lima

Por: Zero Hora
12/08/2017 - 13h44min | Atualizada em 12/08/2017 - 13h44min
Planilha da CEF mostra nomes de políticos entre empresas Pedro Ladeira/Folhapress
Foto: Pedro Ladeira / Folhapress  

Há um ano, integrantes da Corregedoria da Caixa Econômica Federal em Brasília apreenderam o notebook de um funcionário da Vice-Presidência de Pessoa Jurídica com registros datados de 2012. Entre 2011 e 2013, o vice-presidente de Pessoa Jurídica era Geddel Vieira Lima (PMDB), ex-ministro e homem próximo de Michel Temer. Havia nos arquivos uma planilha, que ganhou a chancela "sigilosa", contendo a lista das empresas que solicitavam empréstimos ao banco público, com os valores das operações e o status do negócio. E, em outra coluna, a identificação "contatos externos". Ali, políticos de PMDB, PT e PSC estavam relacionados às operações, que deveriam ser técnicas. As informações são da Revista Época desta semana, que salienta: àquela altura, a operação Lava-Jato ainda não desbaratara o esquema de achaque a empresas interessadas em recursos do banco.

De acordo com investigadores da Lava-Jato, é possível que o esquema fosse tocado por Geddel, pelo ex-deputado Eduardo Cunha e por seu operador Lúcio Funaro — os dois últimos, padrinhos de Fábio Cleto, que ocupava a Vice-Presidência de Loterias na Caixa no mesmo período.

Leia mais sobre a operação Lava-Jato

Auditores do banco anotaram em um relatório sigiloso, obtido pela revista:

"Conforme se denota do documento ora anexado, o empregado possuía em seus arquivos uma lista com as seguintes informações: Cliente/Contato Externo/Operação/Status. Na referida planilha, no campo contato externo figuram políticos influentes". (...) "Dos políticos citados na planilha, há um deputado preso por fraudes licitatórias, e outro formalmente indiciado por envolvimento na operação Lava-Jato".

O deputado investigado na Lava-Jato é Marco Maia (PT-RS), alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF). Na linha que anota um pleito da CCB e Rio Corrente PCH, do grupo goiano Construtora Central do Brasil, identificada como operação "35 MM + 35 MM", o servidor anotou o nome de Marco Maia, ex-presidente da Câmara. A empresa afirma que buscou, mas não conseguiu o empréstimo na Caixa. A CCB nega contatos com o parlamentar gaúcho. Maia disse à Época que nunca ouviu falar das empresas do Grupo CCB, não conhece ninguém da companhia e que não procurou Geddel para tratar de demandas na Caixa. Em relação à tentativa de obter empréstimo de R$ 70 milhões, como a planilha sugere, a companhia goiana enfatiza que "nenhum de seus representantes conhece ou manteve algum tipo de contato com o deputado Marco Maia em época alguma".

O registro formal em documento arquivado de "padrinhos políticos" nas operações de crédito, de acordo com auditores da Caixa, era um ineditismo criado na gestão Geddel, hoje em prisão domiciliar.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.