No centenário de Julio Cortázar, obra do autor permanece como exemplo de imaginação e rigor

Escritor, que teve destacada ação política, é lembrado pela sofisticação dos recursos formais que empregou para elevar a grande arte da ficção

16/08/2014 | 16h02
No centenário de Julio Cortázar, obra do autor permanece como exemplo de imaginação e rigor Gilmar Fraga/Ilustração
Foto: Gilmar Fraga / Ilustração

Julio Cortázar (1914 — 1984) foi um dos mais talentosos escritores não apenas da América Latina, mas do mundo. Essa é uma afirmação que encontrará pouca objeção em qualquer interlocutor, e, portanto, é um pouco inútil fazê-la. Ao contrário, um dos elementos mais interessantes para abordar a obra de Cortázar não é a assombrosa elegância de sua prosa ou o implacável rigor estrutural de seus contos e romances, mas o trabalho árduo que ele, como escritor, empregou para refinar a ambos.

> Leia mais: Os segredos do mestre do conto, por Pedro Gonzaga

Cortázar nasceu na Bélgica em 26 de agosto de 1914 — seu pai era um funcionário da embaixada argentina no país. Seu local de nascimento, contudo, é uma circunstância que em nada interfere em sua classificação como um "autor argentino". Sua família retornou à Argentina quando o pequeno Julio contava quatro anos, e sua obra está impregnada de um espírito romântico alimentado desde a infância por sua criação latino-americana. Cedo o jovem começou a escrever — em uma entrevista para a Paris Review, publicada em 1984, declarou que escrevia desde os nove anos. O que diferencia Cortázar de qualquer outro jovem talento literário precoce é sua paciência exigente. Seu primeiro livro, os contos desconcertantes de Bestiário, só foi publicado em 1951, quando o autor já contava 37 anos.

Embora ele próprio se identificasse com os sonhadores e imaginativos cronópios de seu livro de 1962 Histórias de Cronópios e Famas — em oposição ao rigorismo algo maníaco destes últimos — o escritor trabalhava em sua obra com energia e seriedade. Antes de sua estreia tardia, Cortázar não trabalhou menos — pelo contrário, burilou ao longo de anos romances, contos e peças inclassificáveis que estão entre os maiores já compostos em qualquer língua. A atmosfera urbana e cosmopolita de seus livros não esconde o substrato latino-americano que está em sua origem — um universo no qual o "fantástico" encontrou lugar sem esforço por retratar uma realidade que foi gradativamente se assemelhando a ele.

Em um texto escrito para marcar os 10 anos de sua obra-prima, O Jogo da Amarelinha, em 1974, Cortázar já definia seu labiríntico experimento romanesco como o ponto de inflexão em sua trajetória pessoal. A partir dele, o autor, "emergiu de um mundo obstinadamente metafísico e estético, e sem renegá-lo entrou numa rota de participação histórica, de apoio a outras forças que buscavam e buscam a libertação da América Latina".

Depois da sua Rayuela — e de seus primeiros contatos com a Cuba revolucionária —, Cortázar expandiu sua visão do papel de um escritor, tanto para dentro como para fora. Para dentro, chegou a uma compreensão global do papel do fantástico em sua obra. A ponto de afirmar que via a realidade de tal modo fantástica que seus textos não eram nada mais do que uma forma diversa de realismo. Para fora, tornou-se um dos tipos mais bem acabados de "intelectual engajado" dos anos 1960 e 1970, com consequências diretas para o conjunto de sua obra. Embora tenha continuado produzindo contos de esmerada qualidade, seu trânsito pela narrativa longa foi afetado por sua atividade política como um porta-voz intelectual das revoluções de Cuba e da Nicarágua.

Estava ciente do delicado equilíbrio do autor entre um engajamento datado e nada literário e uma obra de qualidade estética. E teve sucesso. Suas obras ainda falam a leitores que só conhecem algumas de suas causas por livros de história.

Porque sua visão revolucionária era, ao fim, humanista.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.