Premiado em SP

Robô desenvolvido por alunos do Julinho fica em segundo lugar na Olimpíada Brasileira de Robótica

Os quatro estudantes contam como foi participar da competição, realizada na USP

31/10/2014 - 21h27min
Robô desenvolvido por alunos do Julinho fica em segundo lugar na Olimpíada Brasileira de Robótica Diego Vara/Agencia RBS
Com o resultado, os quatro carimbaram o passaporte para a etapa mundial, na China, em 2015 Foto: Diego Vara / Agencia RBS  

A movimentação nos corredores do Colégio Estadual Júlio de Castilhos não distraiu quatro alunos que realizavam testes em um pequeno robô. Montado com peças de Lego, sensores e materiais reutilizados, o equipamento parece um brinquedo, mas levou Kamila, Leonardo, Monique, 15 anos, e Fabrício, 16, a conquistar o vice-campeonato na Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR).

Realizada na semana passada na Universidade de São Paulo (USP), a competição deu à turma, além do prêmio, a chance de representar o país ao lado de outras equipes brasileiras na RoboCup Junior Mundial 2015, campeonato que será disputado na China em junho do próximo ano.

— Foi muito especial tirar o segundo lugar porque nos dedicamos muito para construir o robô. Os demais concorrentes eram muito melhores esteticamente, com estruturas muito melhores, mas o nosso ganhava na questão da programação — orgulhou-se Fabrício.

O desafio da Olimpíada, que contou com mais de 80 equipes de alunos dos ensinos Fundamental, Médio e Técnico de escolas públicas e privadas de todo o país, era criar um robô que conseguisse percorrer um determinado trajeto, desviar de barreiras, resgatar uma vítima (representada por uma lata) e levá-la a um local seguro. Para tal, os concorrentes tiveram de desenvolver equipamentos com sensores e programar a movimentação dos robôs por meio de códigos inseridos no computador. As equipes foram divididas em dois níveis: os do Ensino Fundamental, no nível 1, e os do Médio e Técnico, no nível 2. Leonardo e Fabrício, que já colecionam prêmios de robótica desde os 12 anos, competiam pela primeira vez ao lado das meninas na categoria dos "mais velhos". A equipe, chamada Julianos Robots, não acreditava que ganharia o prêmio.

— Foi uma surpresa muito boa. Nosso robô foi o mais rápido de todos, só tivemos um pequeno erro de programação, que nos deixou em segundo lugar. Mas seguimos estudando para aprimorar cada vez mais — contou Monique.

Desde março deste ano, quando montaram a equipe, os quatro estudantes do primeiro ano do Ensino Médio se reúnem pelo menos três vezes por semana na escola para estudar robótica como uma atividade extraclasse. Com a ajuda de professores, estão colecionando, além dos prêmios, conhecimentos que aplicam, também, em sala de aula.

— Temos de estudar matemática, fazer cálculos e entender sobre a linguagem de programação (de computadores). Isso acaba facilitando também o aprendizado nas matérias da escola, como, por exemplo, física. Temos de quebrar muito a cabeça, mas vale a pena — explica Leonardo.

E a energia deles não é só dedicada a aprender. Com uma forte consciência social, os jovens pretendem, a partir do ano que vem, abrir um projeto na escola para ensinar e incentivar os estudantes mais jovens a ingressar no mundo da robótica.

— Valorizamos muito as oportunidades que estamos ganhando. Se não fosse a robótica, acredito que nenhum de nós teria condições de viajar para o Exterior. Por isso, achamos importante levar o conhecimento para os demais. Além disso, aprendemos muito sobre trabalhar em grupo — resume Fabrício.

Enquanto esperam ansiosos a viagem para a China, os estudantes já se programam para participar de outros concursos de robótica que ocorrem ainda neste ano no Estado.

A equipe Julianos Robots não foi a única a levar o Rio Grande do Sul ao pódio do evento de robótica que ocorreu semana passada em São Paulo. Além da Olimpíada Brasileira de Robótica, outros dois campeonatos que ocorreram simultaneamente, a Competição Brasileira de Robótica (CBR) e a Competição Latino-americana de Robótica (LARC), levaram dois alunos da Escola Municipal Governador Ildo Meneguetti, de Porto Alegre, a conquistar o segundo lugar na categoria RoboCupJr Dance Primary. Na categoria RoboCup Small Size League (F180), uma equipe da Universidade Federal de Rio Grande (Furg) também levou o segundo lugar.