Negociação bem-sucedida

Brigada Militar liberta mulher mantida sob cárcere privado por companheira na Capital

Em operação que durou mais de cinco horas, mulher é libertada ilesa

Atualizada em 16/04/2012 | 19h3016/04/2012 | 10h35
Brigada Militar liberta mulher mantida sob cárcere privado por companheira na Capital Ronaldo Bernardi/
Após rendição, casal foi conduzido a hospital para ser examinado Foto: Ronaldo Bernardi

Nesta manhã, foi realizada com sucesso a operação para a libertação de Flávia Rosane dos Santos, 48 anos, mantida sob cárcere privado pela companheira, Luciana da Silva, 41 anos, na zona central de Porto Alegre.

Segundo a Brigada Militar (BM), a ocorrência, que se deu por motivos passionais, mobilizou a corporação desde as 5h desta segunda-feira no entorno do apartamento onde o casal reside, na avenida João Pessoa, próximo à avenida Venâncio Aires.

— Perdemos o contato com ambas às 7h20min. Desde então, buscamos alternativas até decidirmos pelo arrombamento, que obrigou a rendição da Luciana — relatou o Coronel Paulo Moacyr Stocker, Comandante do Policiamento da Capital.

 
Bloqueio do fluxo na avenida João Pessoa perto da avenida Venâncio Aires provoca longo congestionamento
Foto: Ronaldo Bernardi


Ainda, segundo o comandante, a preocupação maior se deu em relação aos quadros de depressão e bipolaridade que Luciana possui em seu histórico médico. Sobre o estado de saúde do casal, Stocker afirmou que ambas saíram ilesas, salientando que a agressora possuía um machucado num dos pulsos, em virtude de pontos que se abriram quando ela foi mobilizada.

Depois de ser rendido, o casal foi levado para o Hospital de Pronto-Socorro (HPS), onde foram realizados exames, e conduzido para a 2ª Delegacia de Polícia de Pronto-Antendimento, na Capital. Luciana será indiciada por ameaça de morte e cárcere privado, informou Stocker.

A ocorrência


Vizinhos acionaram a BM por volta das 5h desta segunda-feira, após tentarem apaziguar uma discussão do casal. Segundo a BM, com uma faca nas mãos, Luciana ameaçou Flávia de morte, além de mantê-la sob cárcere privado.

Para o local foram deslocados mais de cinquenta agentes em  viaturas da BM, bombeiros, SAMU, Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e o Grupo de Apoio Tático Especial (Gate). 

 
Situação mobilizou diversos setores da segurança pública Estadual
Foto: Ronaldo Bernardi


A mobilização congestionou bastante o trânsito da região. O aparato desclocado para atender a ocorrência foi considerado adequado pela BM.

— Tínhamos que estar prevenidos para quaisquer imprevistos, havia uma vida em risco — afirmou o Capitão Valdeci Rocha, um dos oficiais responsáveis pela operação.

A movimentação em frente ao local começou a se acentuar perto das 9h, quando agentes do Gate e dos bombeiros adentraram o prédio a fim de arrombar o apartamento. Segundo informaram policiais que atenderam a ocorrência, a residência possuía uma grade de ferro protegendo a porta, o que dificultou a entrada dos agentes.

Atiradores de elite também foram distribuídos no entorno preventivamente, mas acabaram desmobilizados cerca de meia hora depois.

— Após toda ação é feito um feedback, reunimos todos os integrantes e revisamos a ação, sempre buscamos aprender com os erros e os acertos _ comentou Stocker ao fim da operação.

A EPTC bloqueou, das 9h às 11h,  as pistas de trânsito de veículos da avenida João Pessoa no sentido Bairro-Centro, e desviou o fluxo pela avenida Venâncio Aires, Travessa da Paz e Avenida José Bonifácio. Segundo a empresa, o trânsito já está normalizado no local.

Confira o desvio do trânsito no local:

Visualizar Bloqueio policial congestiona trânsito em um mapa maior
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.