Ainda paralisados

Trabalhadores buscam alternativas para deslocamento em Porto Alegre

Chefes combinam com funcionários formas para que cheguem ao trabalho

Atualizada em 30/01/2014 | 12h1030/01/2014 | 11h36
Trabalhadores buscam alternativas para deslocamento em Porto Alegre Kamila Almeida/Agencia RBS
As três colegas aguardaram sentadas na escadaria da Igreja São Jorge Foto: Kamila Almeida / Agencia RBS

Três colegas aguardaram sentadas na escadaria da Igreja São Jorge, na Avenida Bento Gonçalves, pelo transporte alternativo organizado pela empresa para a qual atuam como auxiliar de serviços gerais.

Leia mais:
Grevistas descumprem decisão da Justiça pelo terceiro dia consecutivo
Fortunati reclama da Brigada Militar no Twitter
Entenda os bastidores da luta interna no sindicato dos rodoviários
Sindicato das empresas de ônibus entra com ação judicial contra greve
Justiça multa Sindicato dos Rodoviários em R$ 100 mil e considera greve ilegal

Estava combinado que a van passaria às 8h, por isto as duas vizinhas Ivone Terezinha Dallagnol, 45 anos, e Beatriz Ferreira, 48 anos, pernearam por 40 minutos desde o Morro da Cruz até a Bento _ porque lá também não está passando ônibus.

Chegaram ao ponto combinado às 7h30min e encontraram Ana Paula Ribeiro Saraiva, 42 anos, à espera da mesma carona. Quando já passava de uma hora o atraso ligaram para o patrão. Ele garantiu que iriam pegá-las, pediu que aguardassem.



— Ai, eu fico nervosa, nervosa. Já suei frio, já suei quente. Me deu dor de barriga. É um horror isso que estão fazendo com a gente — disse Beatriz.

— Para quem vai ganhar com esta greve é bom, mas para nós que estamos sendo sacrificadas é péssimo — resmungou Ivone.

O trio e outros colegas já faltaram ao serviço ontem, quando nenhum ônibus saiu às ruas. Prevendo a repetição do caos para hoje, os responsáveis pela empresa ligaram para os funcionários combinando o transporte alternativo.

— A ida parece que vai ficar resolvida. Depois, para a volta vai ser outro sacrifício — disse Ana Paula.

Reivindicações

A greve foi definida em assembleia da categoria na última quinta-feira. Os rodoviários querem 14% de aumento, reajuste do vale-alimentação de R$ 16 para R$ 20 e manutenção do plano de saúde, sem desconto no salário. Porém, as empresas oferecem 5,56% (reposição integral da inflação no ano, segundo o INPC) e querem coparticipação financeira dos empregados no plano de saúde.

Acompanhe a cobertura da greve:



Ônibus da Carris ficaram alinhados na saída da garagem


Carris tem ônibus bloqueados em garagem


Grevistas bloqueiam saída de coletivos da Trevo


Grevistas bloqueiam garagem da Carris, em Porto Alegre

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.