Desvio em pintura de ciclofaixa de Porto Alegre repercute nas redes sociais

Conforme a prefeitura, marcação é necessária para ciclistas não se chocarem em árvores da calçada

Atualizada em 01/04/2014 | 16h5001/04/2014 | 14h13
Desvio em pintura de ciclofaixa de Porto Alegre repercute nas redes sociais  Ricardo Duarte/Agencia RBS
Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS
Uma foto postada no Facebook pelo coletivo Cidade Mais Humana, vinculado ao mandato do vereador Marcelo Sgarbossa (PT), gerou críticas à elaboração da ciclofaixa da Avenida Loureiro da Silva, em Porto Alegre. Em alguns trechos, o caminho avança para a faixa de rolamento e depois retorna ao trajeto normal.

> Conheça os desafios de pedalar na Capital
> Teste ZH: confira a avaliação das ciclovias e ciclofaixas de Porto Alegre

Até a manhã desta terça-feira, a imagem havia sido compartilhada por 584 pessoas e recebido 365 curtidas, além de centenas de comentários, a maioria desaprovando a medida. Segundo a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), a alteração teve de ser feita para evitar possíveis choques de ciclistas com árvores que estão inclinadas sobre a via.

— A marcação para não seguir na linha do meio-fio serviu para não ter que cortar a árvore nem expor o ciclista ao risco. Na (Rua) Vasco da Gama tem igual, com marcação de tachões, e não há nenhuma dificuldade de circulação — justifica o diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari.


Cappellari reforça que o órgão possui técnicos como arquitetos e engenheiros especialistas em projetos viários capacitados para avaliar tais mudanças:

— Novamente utilizam um projeto em andamento para denegrir nosso trabalho. Deveriam aguardar e criticar depois de pronto.

Integrante do Cidade Mais Humana e cicloativista, o vereador Marcelo Sgarbossa rebate que o desvio poderia ser feito de forma mais gradual, de maneira que acompanhasse o ritmo da bicicleta. Ou simplesmente se alargasse a ciclofaixa.

— É preciso fazer uma curva muito brusca naquele local. Aquela pintura mostra, no mínimo, a falta de diálogo com quem pedala. Mas fazer uma ciclovia mais larga retira o espaço do carro. Enquanto persistir essa lógica de que a bicicleta é um incômodo, não haverá ciclovias como deveria — diz Sgarbossa.

O primeiro trecho da Avenida Loureiro da Silva tem 1,8 quilômetro e fica entre a Rua Luiz Englert e a Câmara de Vereadores. No futuro, fará a conexão com a faixa para ciclistas da Avenida Edvaldo Pereira Paiva (Beira-Rio).

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.