Em Porto Alegre

Por que cresce Bolsonaro

Ele será candidato à Presidência, mas não vai se eleger

27/01/2016 - 04h01min

Bolsonaro não é filhote da ditadura. É filhote do PT.

Bolsonaro é a reação mais acerba e menos lapidada a 14 anos de governo do PT no Brasil. Não chega nem a ser um antipetista clássico. É uma caricatura de antipetista clássico.

Bolsonaro foi recebido com festa de centroavante goleador, no aeroporto de Porto Alegre, nesta semana. Tem sido assim em todo o país. Chamam-no de "mito".

Ontem, o entrevistamos no Timeline, da Gaúcha. Ele foi ao estúdio, conversamos rapidamente por Skype. Eis um homem encantado com a própria popularidade. Bolsonaro está feliz. As coisas têm dado certo para ele. Tanto, que vai se candidatar à Presidência do Brasil.

Não será eleito. Não devido as suas ideias ou a sua postura, no sentido de "compostura". Ideias e postura não elegem presidentes, no Brasil. Dutra não tinha ideia alguma, e Jânio e Collor eram o que havia de mais exótico em suas épocas.

Bolsonaro não será eleito pelo mesmo motivo que fez dele um dos políticos mais populares do Brasil: porque não usa nenhum filtro quando emite opiniões.

O brasileiro, na média, nunca vota no mais; vota no menos. Ele não vota no que tem mais chance de dar certo, vota no que tem menos chance de dar errado. Mesmo o voto aparentemente esdrúxulo, como o voto em Collor, é conservador: em campanha, Collor jamais dizia claramente qual era o seu projeto, até porque ele não tinha projeto algum. Posava de valente, de inimigo do Mal, e todos são contra o Mal.

O voto em Lula foi igualmente conservador. Havia já três eleições que Lula concorria e era derrotado. Na quarta, sua barba estava grisalha e seu discurso estava macio. Convencionou-se, entre os eleitores, que, em 2002, chegara "a vez dele". Era uma espécie de "decorrência natural", na cabeça do eleitor.

Lula, tanto quanto Collor antes dele, teve a sabedoria de ser dissimulado durante a campanha. Lula, tanto quanto Collor antes dele, foi eleito pelo mérito de não ter projeto algum antes de assumir.

Bolsonaro não é dissimulado. Ele expõe claramente quem é. E ele é um tipo que, nos Estados Unidos, seria chamado de "rude", adjetivo que se aplica bem, no caso, também em português. Bolsonaro é um sujeito agreste, de opiniões antigas, é um Trump caboclo, com a mesma agressividade, mas sem a competência empresarial a lhe dar respaldo.

O que dá respaldo a Bolsonaro é o ódio que sente e o ódio que sentem dele. Ontem, o movimento LGBT, que odeia Bolsonaro, fez uma manifestação onde ele se apresentava, em Porto Alegre. Deu briga. Não cresceu o movimento LGBT; cresceu Bolsonaro.

Bolsonaro não é oposição ao PT; ele odeia o PT. Foi cevando esse ódio que ocupou tanto espaço, porque a maioria dos brasileiros não suporta mais o PT.

Esse mesmo ódio, porém, vai acabar com Bolsonaro. Quando não houver mais PT a combater, ele não terá mais o que dizer. Quando o PT perder o protagonismo político, Bolsonaro também perderá seu protagonismo. Não por ser de direita ou por ser preconceituoso, mas porque há políticos de direita e preconceituosos melhores do que ele. Mais lapidados, mais flexíveis, mais dissimulados. Só que, por ora, nenhum tão feroz.

A ferocidade de Bolsonaro irá transformá-lo em subalterno de políticos mais requintados. Em alguns anos, nós todos vamos rir desse momento estranho em que uma pequena jaguatirica da ditadura foi chamada de "mito" nos aeroportos do Brasil.

Leia todas as colunas de David Coimbra

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.