Safra do RS

Após quatro dias, navios são liberados no porto de Rio Grande

Cinco embarcações carregadas com soja estavam paradas desde a segunda-feira devido à falta de dragagem de manutenção do canal

21/04/2017 - 14h44min | Atualizada em 21/04/2017 - 14h44min
Após quatro dias, navios são liberados no porto de Rio Grande Fábio Gomes,Especial/Especial
Com assoreamento do canal, profundidade ficou no limite devido à direção do vento e impediu a passagem de graneleiros Foto: Fábio Gomes,Especial / Especial  

O fluxo de navios carregados com soja no porto de Rio Grande voltou ao normal nesta sexta-feira. Quatro graneleiros saíram ainda de madrugada. No total, cinco embarcações ficaram paradas de segunda a quinta-feira devido às condições meteorológicas desfavoráveis, que fizeram baixar o nível do canal. Como a dragagem de manutenção não foi feita, isso impediu a movimentação. Caminhões deixaram de ser carregados, em um efeito cascata que chegou até as lavouras, onde o ritmo de colheita teve de ser diminuído.

— Agora, o vento mudou para a direção sul — explica Darci Tartari, diretor técnico do porto.

Leia mais:
Produtor reduz ritmo em colheita em função de paralisia no porto
Condições do porto impedem saída da supersafra

Colheita de soja é feita até de noite

Na noite de quinta-feira, uma reunião foi realizada para tentar uma solução para o problema. Mas isso depende diretamente da dragagem, que estava prevista para abril do ano passado. O custo da limpeza é de R$ 368 milhões. A superintendência aguarda recursos federais e diz que há uma sinalização de que o dinheiro chegue entre julho e agosto.

Só que até lá, grande parte da supersafra de soja já terá sido escoada. E não há garantias de que a situação registrada nesta semana não volte a acontecer.

Historicamente, as dragagens eram feitas a cada dois, três anos. Com o projeto novo do porto, o canal está mais largo e, segundo Tartari, será preciso fazer um monitoramento para determinar a periodicidade recomendada.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.