Palavra de médico

É preciso coragem para ser diferente

Raramente somos tão heterogêneos como no momento de demonstrar ou não a vontade de ajudar

Por: J. J. Camargo
29/07/2017 - 08h00min | Atualizada em 29/07/2017 - 08h00min
É preciso coragem para ser diferente Edu Oliveira/Agência RBS
Foto: Edu Oliveira / Agência RBS  

A vontade de fazer o bem, de ajudar, não encontra nas pessoas uma uniformidade de atitudes. Pelo contrário, raramente somos tão heterogêneos. Há os que se refugiam até em lojas de artigos infantis se veem a distância o patrono da festa da paróquia, os que ajudam se não tiverem mais nada para fazer, e quase sempre são as pessoas mais ocupadas do mundo, e os voluntários das obras sociais que têm na cara a inconfundível expressão do "deixem comigo". Esses seriam todos os modelos disponíveis se não houvesse, para a redenção da espécie e compensação das nossas pobrezas de espírito, os adictos da generosidade, umas raras criaturas que, possuídas pelo bem que o bem faz a quem o pratica, não conseguem mais parar sem se sentirem em falta consigo mesmo.

A atitude obstinada dessas criaturas comove todos, até os tais que, disfarçados, entram nas lojas de artigos infantis, oxalá em busca de um modelo mais digno de si mesmo, que talvez se tenha perdido lá na infância.

Até o Último Homem, um dos filmes que concorreram ao Oscar, conta uma história baseada em fatos reais e descreve a odisseia de Desmond Doss durante a sangrenta campanha do Pacífico nos últimos meses da II Guerra. Esse jovem soldado se alistou porque lhe pareceu indigno que seus melhores amigos se arriscassem por ele, mas provocou uma convulsão entre os instrutores quando se negou a tocar num fuzil porque se prometera que jamais atiraria em alguém. Quando defendeu emocionado seu direito de combater para ajudar os feridos porque, apesar de não ter conseguido estudar, sempre quisera ser médico, recebeu autorização para embarcar, debaixo de deboches e suspeitas de covardia.

No final da guerra, depois de ter salvado dezenas de colegas feridos, arriscando a vida debaixo de fogo cruzado nas batalhas mais ferozes, compensado pelo respeito de todos, recebeu a mais alta comenda militar por heroísmo em campo de batalha. No final do filme, com o olho lacrimejante a confirmar uma história ocorrida há quase 75 anos, é apresentado o autor daquela façanha, que já bem velhinho relembrava o pensamento que o mantinha em pé numa noite sem fim, arrastando ou carregando nas costas os feridos mais graves até um lugar seguro, e voltando para apanhar o próximo: "Meu Deus, por favor, me permita salvar mais um, só mais um". Ao amanhecer da terrível Batalha de Okinawa, dezenas tinham sido salvos, e ele, num verdadeiro transe, continuava repetindo o mantra que o mantivera acordado, apesar de exausto: "Por favor, só mais um!".

Ser igual aos outros é mais fácil. Para ser diferente, é preciso ter coragem. E isso não consta do rol das escolhas. Que pena.

Leia todas as colunas de J.J. Camargo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.