Sayonara, polo naval

Ecovix e japoneses confirmam fim da parceria no Estaleiro Rio Grande

Em nota, os dois consórcios anunciam o fim da sociedade. Empresa que opera estrutura está em reestruturação, comandada pelo Banco Plural 

07/01/2016 - 12h36min
Ecovix e japoneses confirmam fim da parceria no Estaleiro Rio Grande Karoline Avila/Rádio Gaúcha Zona Sul
Construção de cascos em Rio Grande emprega mais de 5 mil pessoas e está passando por um processo de reestruturação Foto: Karoline Avila / Rádio Gaúcha Zona Sul

Poucos dias depois que vazou a aprovação do negócio pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a Ecovix-Engevix Construções Oceânicas e a JB Minovix, associação de empresas japonesas liderada pela Mitsubishi Heavy Industries (MHI), anunciaram formalmente o fim de sua sociedade.

Autorização do Cade despertou atenção para o negócio

A Ecovix opera o Estaleiro Rio Grande, na cidade de mesmo nome, responsável por um contrato de US$ 3,5 bilhões com a Petrobras para a construção de oito cascos de plataformas de exploração de petróleo. Dois foram concluídos e rumaram para a China, onde  será feita a montagem dos módulos. 

A líder do consórcio é a Engevix, que teve dois diretores presos na Operação Lava-Jato e enfrentou dificuldades para pagar funcionários e fornecedores no final de 2015. Para garantir as operações, a Petrobras adotou o sistema de ''conta vinculada'', pelo qual garante a quitação dos serviços prestados de forma direta. A principal estrutura do estaleiro, o dique seco, é de propriedade da Petrobras.

Segundo casco foi entregue em setembro

Em nota, os dois consórcios confirmam que "os 30% de participação acionária que a JB Minovix detinha na companhia, desde dezembro de 2013, foram recomprados pela Jackson Empreendimentos SA, que passou a ter 100% das ações da Ecovix.

Conforme o comunicado, "a sociedade entre a Ecovix e a JB Minovix resultou em importantes ganhos de eficiência e de estratégia de produção ao trazer know-how tecnológico e pessoal especializado, agregando valor à indústria naval no Brasil.

Leia outras colunas de Marta Sfredo

Em meio a uma pesada crise no setor de construção naval direcionada ao segmento de exploração de óleo e gás, os dois consórcios frisam, na nota, que "o cenário no Brasil mudou e atualmente é bastante desafiador para as indústrias". No entanto, para reduzir o impacto do adeus (sayonara, em japonês) do consório estrangeiro, o texto frisa que "a Mitsubishi Heavy Industries continua confiante em relação às perspectivas futuras do país". 


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.