Investimento de mais de R$ 300 milhões

A incrível história do parque eólico destruído pelo vento e pela incúria

Quatro conjuntos com 27 aerogeradores foram afetados por temporal em 2014, mas uma sucessão de episódios acabou por inviabilizar a reparação

29/05/2016 - 19h14min | Atualizada em 30/05/2016 - 15h28min
A incrível história do parque eólico destruído pelo vento e pela incúria Marcelo Pinto/A Plateia
A destruição provocada pelo clima foi apenas um dos fatores que levaram ao fracasso do investimento em Livramento Foto: Marcelo Pinto / A Plateia  

Quando, em dezembro de 2014, uma tempestade em Santana do Livramento – tecnicamente, uma microexplosão – destruiu oito torres e aerogeradores(foto) dos parques eólicos Cerro Chato 5, 6, 7 e Cerro dos Trindade, a questão era quanto custaria e quanto demoraria o conserto. A situação já era inusual: um parque eólico, no qual o vento, que deve ser gerador de riqueza, destruía parte do investimento. Quase um ano e meio depois, o diagnóstico de fontes próximas dos investidores é de que os quatro parques, tal como foram construídos, estão inviabilizados. Ou seja, nunca mais voltarão a funcionar.

A destruição do vento se combinou com a incúria no processo de seleção dos fornecedores, prosseguiu com disputa de interesses em órgãos públicos e desembocou no fato de que um investimento de mais de R$ 300 milhões, parte feito por uma estatal, a Eletrosul, acabasse fracassando. 

Pouco antes do temporal, já havia dificuldade em obter contato com a argentina Impsa (Indústrias Metalúrgicas Pescarmona). Logo depois, a fabricante dos aerogeradores – coração do sistema, onde o vento vira energia mecânica e, depois, elétrica – entrou em recuperação judicial no Brasil. Em vez de manter as operações, objetivo da regra, abandonou o país. Levou junto a capacidade de operar os parques, que funcionam em regime de "caixa-preta", ou seja, só o fornecedor do equipamento é capaz não só de fazer manutenção como de operar os parques. 

Seguiu-se uma tentativa de trocar todo o conjunto – são 27 equipamentos no total – que esbarrou em decisão da agência reguladora, a Aneel. Hoje, conforme fontes próximas aos investidores, esses parques, que somam potência instalada de 54 megawatts (MW), estão condenados. Para colocá-los em operação, seria preciso trocar todos os equipamentos mais caros, quase a metade de tudo o que foi gasto. Quer dizer, o investimento – parte com dinheiro público, da Eletrosul – perdeu-se no vento. 

O caso virou alvo de estudos internacionais. É considerado o maior acidente eólico do mundo, porque a microexplosão destruiu oito conjuntos de torres e aerogeradores, além de provocar avarias em outros. O máximo de estrago provocado por problemas climáticos são três conjuntos na inóspita Escandinávia. O caso virou uma ação interminável na agência de regulação do setor elétrico, a Aneel, mas agora tramita na Justiça comum apenas para tentar livrar os investidores das pesadas multas por descumprimento de contrato.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.