Diferença nas leituras

De recuo intenso a leve avanço: as projeções de entidades gaúchas para abertura de vagas temporárias

Criação de postos de trabalho no comércio é influenciada pelas festas de fim de ano

17/10/2016 - 18h41min | Atualizada em 17/10/2016 - 18h41min
De recuo intenso a leve avanço: as projeções de entidades gaúchas para abertura de vagas temporárias Maykon Lammerhirt/Agencia RBS
Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS  

Projeções de abertura de vagas temporárias no fim de ano costumam apontar leituras semelhantes, com pequenas diferenças de números. Neste ano de transição, as divergências se aprofundaram. 

Consultados pela coluna, representantes de entidades gaúchas sublinham efeitos da recessão sobre as vagas no comércio, mas divergem em relação à intensidade da queda na criação de postos. E há quem espere leve alta na comparação com 2015. 

Leia mais
RS ganha novo roteiro turístico, focado em produtos orgânicos
Crise das finanças públicas restringe crédito para famílias no Estado
Porto Alegre garante lugar no mapa mundial da inovação neste ano 

Presidente da Associação Gaúcha para o Desenvolvimento do Varejo (AGV), Vilson Noer, estima no máximo 5 mil empregos temporários abertos até dezembro no Estado — retração de mais de 50% ante os 11 mil do ano passado.

— É reflexo do cenário econômico. As empresas estão se ajustando, mas o ano é muito difícil — pondera.

Presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse evita prever um número, mas estima retração de 9% em relação a 2015. Alcides Debus, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL-PoA), também projeta queda, sem indicar dados.

— Muitas empresas deslocam funcionários do administrativo para o atendimento, e acabam não contratando — detalha.

Voz destoante, o diretor-presidente da FGTAS, responsável pelas agências do Sine estadual, Gilberto Baldasso, projeta leve alta na comparação com o fim de 2015, apesar de relatar que a situação do comércio gaúcho "preocupa".

— Será uma pequena melhora. A tendência é de recuperação lenta — pontua.

Presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL-RS), Vitor Koch prefere não traçar estimativas.

Leia outras informações da coluna de Marta Sfredo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.