Energia

Impasse coloca duas estatais sob risco

Difícil negociação entre CGTEE e CRM expõe os problemas financeiros e o cada vez mais complexo aproveitamento do carvão gaúcho

23/01/2017 - 19h42min | Atualizada em 23/01/2017 - 19h45min

Uma difícil negociação entre duas estatais, uma estadual e outra federal, expõe os problemas financeiros pelos quais passam os dois níveis da administração pública e o cada vez mais complexo aproveitamento do carvão gaúcho.

Tratativas entre a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE) e a Companhia Riograndense de Mineração (CRM) fracassaram. Na próxima sexta-feira, o secretário de Minas e Energia, Artur Lemos, vai à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e ao Ministério de Minas e Energia. Tentará pedir valor maior na Conta de Desenvolvimento de Energia (CDE), subsídio embutido na conta de luz para geração a carvão.

Leia mais
Mesmo lentamente, energia solar avança no RS
O desafio de fazer o vento soprar para novos parque eólicos no RS

Estado passa por "inferno astral" em projetos de geração de energia

Dado o impasse entre as duas empresas, essa decisão deve definir o futuro do uso do carvão para gerar energia no Estado. A CGTEE é uma subsidiária da Eletrobras que tem pesados prejuízos. Mantém uma única usina, a Presidente Médici, em Candiota, com duas fases condenadas por inadequação ambiental (A e B) e outra que exige paradas frequentes (C). Está na mira da Eletrobras, que quer cortar o número total de funcionários de 23 mil para 12 mil. Mas é única cliente da CRM, de quem compra o carvão para abastecer as térmicas.

Até 2015, a CGTEE comprava 3,5 milhões de toneladas anuais de carvão da CRM. A partir de janeiro de 2016, reduziu a encomenda para 2,5 milhões. Agora, comunicou à mineradora que só precisará de 1,2 milhão de toneladas anuais. Mais ainda, que o máximo que pode pagar é R$ 56 por tonelada, enquanto a CRM pondera que, para viabilizar seus custos, precisa ao menos de R$ 71 por tonelada.

As duas empresas tentaram uma solução, mas não foi possível.

— Com essa remuneração, a CRM não tem condições de continuar. Pode parar de fornecer para a CGTEE que, em consequência, também teria de parar. Se ficar assim, fecha a CRM e fecha a CGTEE — diz Edivilson Brum, presidente da estatal gaúcha.

Para chegar perto da proposta da única cliente — não a R$ 56 mas a R$ 64, o que dependeria de uma CDE maior — a CRM precisaria se reestruturar. Em bom português, teria de dispensar cerca de 125 de seus atuais 450 funcionários, todos celetistas. 

O problema, neste caso, não é apenas o reforço às estatísticas de corte de vagas. Faltam recursos à estatal gaúcha para quitar as obrigações trabalhistas. Seria preciso negociar um antigo contrato, com a própria CGTEE, para ter acesso aos recursos necessários para esse encolhimento. Sim, isso tudo antes de uma eventual privatização.

Leia outras informações da coluna de Marta Sfredo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.