Dragão no cercadinho

Inflação dentro do teto da meta adiciona pressão sobre o BC

Embora o foco do Copom seja comportamento futuro dos preços, resultado abaixo do previsto reforça expectativa de corte drástico no juro

11/01/2017 - 12h34min

Apesar de esperado, o fechamento do principal indicador de inflação do país, que serve de referência para o Banco Central (BC) acompanhar o regime de metas de inflação, teve surpresa positiva. Veio bastante abaixo do teto de 6,5% – inferior à média das projeções – e provocou ainda mais expectativa para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que se encerra no final da tarde desta quarta-feira. 

Leia mais
Pronunciamento de Trump vai condicionar decisão sobre corte de juro
Banco Central toma decisão que vai dar o tom de 2017
Petrobras injeta gasolina no debate sobre política de preços

Apesar de o Copom tomar sua decisão sobre o tamanho do juro básico projetando o comportamento futuro dos preços – sobre os quais há bastante incerteza, tanto externa quanto interna –, o resultado do ano passado já mostrou seu impacto nos juros futuros de curto prazo. Conforme analistas, o comportamento das taxas de Depósito Interbancário (DI) representa mais de 40% de possibilidade de um corte de 0,75 ponto percentual, de 13,75% ao ano para 13% ao ano. A aposta majoritária segue sendo de uma poda de 0,5 ponto percentual, mas combinado ao desânimo da atividade econômica, o resultado do IPCA representa mais pressão sobre o Copom.

Leia outras informações da coluna de Marta Sfredo 

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.