Câmbio

Por que o dólar, que chegou a valer mais de R$ 4, agora ameaça ficar abaixo de R$ 3?

Moeda americana tirou o pé do acelerador e engatou a marcha a ré. Durante os dois últimos dias, beijou a barreira dos R$ 3

16/02/2017 - 20h20min | Atualizada em 16/02/2017 - 22h29min
Por que o dólar, que chegou a valer mais de R$ 4, agora ameaça ficar abaixo de R$ 3? Arte ZH/Agência RBS
Foto: Arte ZH / Agência RBS  

Diz o ditado que Deus inventou o câmbio para humilhar os economistas. A frase resume bem a dificuldade que até os especialistas têm para projetar o patamar da moeda no futuro. São tantas as variáveis, que fica difícil apontar um número com segurança.

Talvez seja por consciência dessa imprevisibilidade que a aproximação do dólar da faixa de R$ 3 hoje não cause tanta surpresa assim. Porque, se fossemos levar em conta o relatório Focus, o levantamento semanal divulgado pelo Banco Central com a projeção média de analistas de todo o país, o susto seria bem maior. Em dezembro, o dólar custava R$ 3,25 e a expectativa era de que terminasse 2017 em R$ 3,40.

Leia mais
Será que dólar barato é furado?
Dólar testa piso de R$ 3,10, mas só no curto prazo
Dólar cai e nem Trump e nem Temer tem alguma coisa a ver com isso 

Mas a moeda americana tirou o pé do acelerador e engatou a marcha à ré. Durante os dois últimos dias, beijou a barreira dos R$ 3, para a alegria de quem está com o cartão de embarque para o Exterior em mãos. Só neste ano acumula recuo de 5,1%, embora tenha encerrado o pregão desta quinta-feira cotada a R$ 3,08, leve alta de 0,56%.

Os motivos para o recuo são muitos. Até o que se esperava que fosse afastar investidores — e fazer o valor da moeda subir — acabou ajudando. É o caso do cenário político. Mesmo emperrada em Brasília, a agenda de reformas proposta pelo governo Temer agrada ao mercado.

A interpretação é de que, ao tentar diminuir gastos, o conjunto de medidas pode atrair mais recursos vindos do Exterior. Fato é que até agora poucos ajustes saíram do papel, mas o câmbio continua caindo.

— O que temos hoje, e não havia em 2016, é a perspectiva de ajuste do setor público — afirma Ivo Chermont, economista-chefe da gestora Quantitas.

Foto: Arte ZH / Agência RBS

Outro exemplo é a chegada de Donald Trump à Casa Branca. A expectativa era de que os estímulos prometidos pelo novo presidente ajudassem na retomada da economia americana e levassem investimentos aplicados no Brasil para lá — empurrando a cotação para cima. Não foi o que aconteceu. Por enquanto.

Longe de um cenário de expectativas, o aumento real no preço de matérias-primas como minério de ferro e soja, armas de países emergentes, tem ajudado. A alta nos ganhos dos exportadores brasileiros acaba trazendo recursos vindos de fora, lembra Valter Bianchi Filho, sócio-diretor da Fundamenta Investimentos.

— Nesta semana, houve ainda a aprovação na Câmara da nova fase do projeto de repatriação de recursos. Isso ajuda a trazer mais dólares para cá — afirma.

A moeda americana é a mais negociada no mundo. Quase 90% das transações internacionais são feitas em dólares. Com a moeda em patamar mais baixo, além dos brasileiros com viagem marcada para o Exterior, quem abre o sorriso são os interessados em comprar produtos importados. Ao mesmo tempo, o câmbio abaixo de R$ 3 pode causar enxaqueca a empresas exportadoras. A moeda tem, sim, dois lados. 

Leia outras informações da coluna de Marta Sfredo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.