Lucro sem pudor

CVM confirma investigações sobre a compra de dólares da JBS

Decisão seguiu-se a rumores de que executivos da empresa haviam atuado no câmbio antes que o conteúdo da delação fizesse real desabar

19/05/2017 - 19h19min | Atualizada em 19/05/2017 - 19h53min
CVM confirma investigações sobre a compra de dólares da JBS CADU ROLIM/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: CADU ROLIM / FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO  

Só depois de a própria JBS admitir ter comprado dólares antes de quinta-feira, quando a moeda americana disparou 8%, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), responsável pela fiscalização do mercado de capitais, tornou públicos os processos administrativos abertos para investigar essa operação. Mais cedo, a JBS havia admitido ter operado no câmbio para "proteção", sem revelar a quantidade de divisas adquiridas. Rumores de mercado situam o volume em US$ 1 bilhão, com ganho ao redor de R$ 170 milhões.

Em nota, a CVM informa ter aberto cinco processos administrativos relacionados à JBS e às circunstâncias que cercam a delação e sua divulgação. Um "busca esclarecimentos adicionais relativos às notícias e especulações envolvendo delação de acionistas controladores da JBS S/A". 

Leia mais
Líderes em proteína animal, irmãos nunca foram mortadelas ou coxinhas
Investigação chega a elo perdido da Lava-Jato, o BNDES
Churrasco de imagem e de marcas

Outro trata da comunicação de indícios de eventual prática do crime de insider trading ao Ministério Público Federal, detectados em operações realizadas no mercado de dólar futuro e em negócios com ações de emissão da JBS S/A realizados no mercado à vista. Em bom português, a instituição suspeita de uso de informação privilegiada para lucrar com a operação. O que está em questão é o fato de que, sabedores dos efeitos que as revelações provocariam no mercado, a empresa teria operado para obter ganhos. 

A CVM investigará, ainda, negociações do acionista controlador da JBS S/A., a FB Participações S/A com ações da companhia. Esses papéis teriam sido vendidos no mês passado, quando ainda acumulavam alguma alta. Na quinta (18) e sexta-feira (19), os papéis da empresa apontada como "maior processadora de proteína animal do mundo" caíram cerca de 8%. Quem comprou da empresa pode ter arcado com perdas caso tenha precisado se desfazer dos títulos nesse momento de baixa.

Leia outras informações da coluna de Marta Sfredo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.