Lucro sem pudor

CVM confirma investigações sobre a compra de dólares da JBS

Decisão seguiu-se a rumores de que executivos da empresa haviam atuado no câmbio antes que o conteúdo da delação fizesse real desabar

19/05/2017 - 19h19min | Atualizada em 19/05/2017 - 19h53min
CVM confirma investigações sobre a compra de dólares da JBS CADU ROLIM/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: CADU ROLIM / FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO  

Só depois de a própria JBS admitir ter comprado dólares antes de quinta-feira, quando a moeda americana disparou 8%, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), responsável pela fiscalização do mercado de capitais, tornou públicos os processos administrativos abertos para investigar essa operação. Mais cedo, a JBS havia admitido ter operado no câmbio para "proteção", sem revelar a quantidade de divisas adquiridas. Rumores de mercado situam o volume em US$ 1 bilhão, com ganho ao redor de R$ 170 milhões.

Em nota, a CVM informa ter aberto cinco processos administrativos relacionados à JBS e às circunstâncias que cercam a delação e sua divulgação. Um "busca esclarecimentos adicionais relativos às notícias e especulações envolvendo delação de acionistas controladores da JBS S/A". 

Leia mais
Líderes em proteína animal, irmãos nunca foram mortadelas ou coxinhas
Investigação chega a elo perdido da Lava-Jato, o BNDES
Churrasco de imagem e de marcas

Outro trata da comunicação de indícios de eventual prática do crime de insider trading ao Ministério Público Federal, detectados em operações realizadas no mercado de dólar futuro e em negócios com ações de emissão da JBS S/A realizados no mercado à vista. Em bom português, a instituição suspeita de uso de informação privilegiada para lucrar com a operação. O que está em questão é o fato de que, sabedores dos efeitos que as revelações provocariam no mercado, a empresa teria operado para obter ganhos. 

A CVM investigará, ainda, negociações do acionista controlador da JBS S/A., a FB Participações S/A com ações da companhia. Esses papéis teriam sido vendidos no mês passado, quando ainda acumulavam alguma alta. Na quinta (18) e sexta-feira (19), os papéis da empresa apontada como "maior processadora de proteína animal do mundo" caíram cerca de 8%. Quem comprou da empresa pode ter arcado com perdas caso tenha precisado se desfazer dos títulos nesse momento de baixa.

Leia outras informações da coluna de Marta Sfredo