Fim da recessão?

Novo indicador sinaliza PIB positivo

Monitor do PIB da FGV também situa avanço acima de 1% até março

17/05/2017 - 10h53min | Atualizada em 17/05/2017 - 13h57min

Depois de quatro grandes instituições financeiras e do Banco Central, um novo indicador aponta PIB positivo no primeiro trimestre deste ano. É o monitor do PIB da Fundação Getulio Vargas, que indica crescimento de 1,19% em relação ao período de três meses anteriores. Outra vez, é a primeira variação positiva depois de oito trimestres consecutivos negativos – os longos dois anos de recessão no Brasil. Em relação a igual trimestre do ano anterior, porém, o monitor da FGV ainda apresenta queda de 0,2%. Essa, por sua vez, é a menos negativa desde o trimestre móvel terminado em maio de 2014.

Mais complexo do que o IBC-Br do Banco Central, o monitor tem dados mais alinhados aos do PIB, pesquisado e divulgado pelo IBGE. O consumo das famílias recuou 2,1% no primeiro trimestre na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Conforme a fundação, depois do pior resultado em janeiro de 2016 (-7,1%), esse dado vem se recuperando progressivamente. 

Leia mais
Intenção de consumo das famílias tem terceira alta consecutiva
Setor que foi mal em março puxa geração de empregos em abril
Primeiro PIB positivo depois de oito trimestres é questão de tempo
Piscam sinais de virada no rumo do PIB no primeiro trimestre de 2017

Outro indicador muito observado, que sinaliza o comportamento do investimento, medido pelo quesito chamado formação bruta de capital fixo (FBCF), ainda mostra contração severa, de 4,2% no primeiro trimestre em comparação ao mesmo trimestre do ano anterior. O que mais contribuiu para esse desempenho negativo foi o segmento da construção civil, que recuou 4,5 pontos percentuais no primeiro trimestre. Em compensação, a área de máquinas e equipamentos marca reação, avançando 2,8%.

Leia outras informações da coluna de Marta Sfredo


da coluna de Marta Sfredo


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.