Negociação

Termina sem acordo conciliação entre Corag e governo

Piratini está proibido de demitir funcionários da empresa sem antes negociar com o sindicato as diretrizes e indenizações

Por: Débora Cademartori
17/07/2017 - 20h59min | Atualizada em 17/07/2017 - 21h28min

Nesta segunda-feira, a audiência de conciliação entre representantes dos funcionários da Corag e o governo do Estado no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) terminou sem acordo.

Por determinação judicial, o Piratini está proibido de demitir funcionários da empresa sem antes negociar com o sindicato as diretrizes e indenizações. A extinção da Corag foi aprovada na Assembleia em 2016.

Leia mais:
"Governo não trabalha com essa hipótese", diz Padilha sobre fatiamento da reforma da Previdência
Deputado sugere que Uergs ofereça cursos gratuitos a servidores

Segundo a Procuradoria-Geral do Estado (PGE), foram oferecidas seis possibilidades de indenização aos servidores. O valor a ser pago aos 192 trabalhadores tem percentual fixado em lei, o que gera o valor de R$ 5,2 milhões. A forma de distribuição desse dinheiro será acordada com o sindicato. Para a rescisão ¿típica¿ serão destinados outros R$ 14,1 milhões.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas da Capital, Francisco Peixoto da Silva, afirma que não houve prosseguimento na negociação porque o ofertado é o mínimo disposto em lei. 

A categoria deve aguardar o resultado da negociação com as fundações para que o acordado tenha as mesmas diretrizes para todos os servidores. 

Uma nova rodada de conciliação entre Estado e fundações deve ser marcada para o início de agosto, no TRT. 

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.