Opinião da RBS

Situação insustentável

Temer e Joesley mantinham um pacto de favores e benesses incompatíveis com a Presidência da República

19/05/2017 - 19h18min | Atualizada em 19/05/2017 - 20h01min

 

Foto: Edu Oliveira / Arte ZH

Com a divulgação da delação de Joesley Batista, a governabilidade representada por Michel Temer se tornou ainda mais frágil, praticamente insustentável. O presidente tem todo o direito de se defender e de se indignar com a armadilha montada por Joesley. Ainda assim, o tom da conversa, acrescida pelos detalhes do antigo relacionamento com o esquema JBS, demonstra que Temer violou, mais do que a liturgia do cargo, a confiança da sociedade, hoje descrente de que o governo tem os olhos postos nos interesses do Brasil.

Com o apoio a seu governo se esfarelando, Temer poderia ter a grandeza de reconhecer que um caminho rápido para a solução da crise é a mudança do ocupante do Planalto, com o cumprimento rigoroso do rito constitucional. Não foi por acaso que seu discurso de rejeição à renúncia, na quinta-feira, ajudou a derrubar ainda mais a Bolsa. E a razão é cristalina: os agentes econômicos não acreditam mais na capacidade de Temer tirar o país da crise em que foi enfiado pelo governo de Dilma Rousseff. Mais do que nunca, porém, o Brasil precisa de um governo estável e da credibilidade de seu líder máximo para que sejam aprovadas as reformas trabalhista e da Previdência, fundamentais para modernizar o país e colocar a economia finalmente na trilha do desenvolvimento.

É verdade que o presidente foi iludido por Joesley Batista. Mas também é verdade que tal não ocorreria se ambos não mantivessem um pacto de favores e benesses incompatíveis com a Presidência da República. Queira ou não, por seu cargo, Michel Temer representa tristemente hoje a foz do rio onde desemboca a corrupção em Brasília.

O delator Joesley Batista, por sua vez, é um exemplo rematado do banditismo político que se nutre da corrupção no país. É triste constatar que, em meio à devastação produzida por seus malfeitos, o empresário possa sair do episódio não só em liberdade, como provavelmente ainda mais rico, graças à especulação com a crise. Por todos os seus atos, amplamente confessados, Joesley não deveria estar em Nova York, mas em Curitiba, onde poderia responder pelas propinas que azeitaram o crescimento de sua empresa na última década e meia.

Temer e Joesley, no entanto, são apenas o ápice de um modelo falido, carcomido pela promiscuidade que se instalou entre certas empresas, a ganância de servidores e a falta de escrúpulos de políticos. Só uma ampla reforma política, com a renovação profunda de nomes e partidos, poderá trazer alento duradouro para a democracia e para que episódios como esse sejam enterrados para sempre no passado.

Leia outros editoriais

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.