Crise

Eduardo Muller Farinha: delação de Palocci e as instituições financeiras

Em vésperas de sua delação, Antonio Palocci, fará com que muitos empresários e políticos percam o sono nos próximos dias

19/06/2017 - 19h24min | Atualizada em 19/06/2017 - 19h24min

* Advogado, Especialista em Direito Empresarial pela PUCRS

Com a chegada da delação premiada de Palocci, as instituições financeiras com certeza serão as mais visadas por tal delação, uma vez que a lava jato pretende chegar em bancos privados e públicos, que usaram de seus instrumentos para facilitar os crimes financeiros, fazendo com que o dinheiro oriundo do crime contra o mercado de capitais fosse enviado para offshore's. A dúvida que paira entre os banqueiros, é o que irá ocorrer após a delação de Palocci, se haverá uma crise do sistema, onde muitas pessoas irão sacar o dinheiro de suas poupanças e investimentos, se instalando um caos no sistema bancário. Ademais, muitos empresários brasileiros, que usufruiram da consultoria de Palocci entre os anos de 2007 até 2015, serão investigados pela operação lava jato, pois se pararmos para pensar, como uma consultoria composta por Palocci, seu sobrinho recém formado na faculdade e outras quatro pessoas não conhecidas no mercado financeiro, conseguiu faturar mais de 87 milhões de reais.

O que é certo, é que em vésperas de sua delação, Antonio Palocci, fará com que muitos empresários e políticos percam o sono nos próximos dias, e talvez muitos virão a ser presos nos próximos meses. Adelante lava-jato!

Leia outros textos de opinião

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.