Contra assaltos

Após assaltos, motoristas paralisam as linhas T3 e T4, em Porto Alegre

EPTC informa que não há previsão para o retorno das atividades

23/07/2014 | 13h33

Duas linhas da Carris estão com atividades paralisadas desde o meio-dia desta quarta-feira. O motivo: os funcionários da empresa estão se manifestando pela falta de segurança para trabalhar, após três assaltos a linhas da empresa, dois ocorridos nesta terça-feira e outro nesta quarta-feira, pela manhã.

Leia todas as últimas notícias de Zero Hora
Leia todas as últimas notícias de Porto Alegre 
Leia todas as últimas notícias de trânsito

Na sexta-feira passada, trabalhadores da Carris fizeram paralisação e assembleia. No encontro, ficou acertado que o grupo aguardaria uma manifestação das autoridades e reavaliaria a questão em assembleia na tarde desta quarta-feira, às 16h30min.

— Teve um assalto ontem de manhã, às 11h, na linha T3, ontem às 19h, na linha Antônio de Carvalho, e hoje pela manhã na linha T4, também na Antônio de Carvalho. A maioria dos assaltos ocorre sempre no mesmo ponto, na parada em frente a um supermercado. Nós, trabalhadores, não achamos que há segurança de operar a linha — afirma Luis Afonso Martins, delegado sindical da Carris.

— Parece que a T4 é paralisação total e a T3 estaria funcionando parcialmente. É o que sei até agora — disse o presidente da Carris, Sérgio Zimmermann.

Segundo Zimmermann, a ocorrência de assaltos nessas linhas não é um problema novo:

— São sempre nas mesma linhas. Temos feito reuniões mensais com a Brigada Militar, que tem feito algumas ações, mas os assaltos persistem.

Será marcada uma reunião com o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, e com o secretário da Segurança Pública do Rio Grande do Sul, Airton Michels, para tratar do assunto.

A prefeitura de Porto Alegre confirmou que as linhas dos ônibus T3 (24 veículos) e T4 (21 veículos), da Carris, estão temporariamente fora de operação, em função de um protesto de funcionários por segurança nos trajetos. "A mobilização impacta no transporte de passageiros das zonas Sul e Norte e da região central. Como não há linhas semelhantes no sistema, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) sugere que os usuários façam integração com outras linhas na área central, que é abastecida por ônibus de todas as regiões. Não há previsão para retorno das atividades", informou. 

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.