Do bem

Alunos do Pão dos Pobres doam sangue em trote solidário

Com idades entre 16 e 24 anos, 70 estudantes que compareceram ao Hemocentro de Porto Alegre

14/11/2014 - 18h08min
Alunos do Pão dos Pobres doam sangue em trote solidário Cláudio Goldberg Rabin/Agencia RBS
Jéssica Dorcas dou sangue no Hemocentro de Porto Alegre Foto: Cláudio Goldberg Rabin / Agencia RBS  

Em vez de sacanagens, solidariedade. A ideia do trote que partiu dos alunos do curso de Manutenção e Suporte de Circuitos de Eletrônicos do Centro de Educação Profissional do Pão dos Pobres (CEP) era para encher de sangue o Hemocentro de Porto Alegre.

Inicialmente, a campanha de doação de sangue seria feita apenas pela turma que estava se formando, mas se expandiu para todo o CEP. Jéssica Dorcas e Carolina Chamorra, as idealizadoras da iniciativa, contam que passaram de sala em sala, manhã e tarde, para divulgar a proposta.

Dos cerca de 800 alunos, a dupla conseguiu amealhar 70 estudantes, com idades entre 16 e 24 anos, que fizeram a doação nesta sexta-feira. Os menores de idade, como o caso de Jéssica, 17 anos, precisaram de uma autorização dos pais. Quem está muito abaixo do peso ou fez tatuagem recentemente, por exemplo, não pôde doar.

Leia as últimas notícias sobre Porto Alegre

Depois de uma pré-triagem, em que se mede a pressão e se faz um teste para verificar a ocorrência de anemia, há uma triagem privada com o doador. Trata-se de uma entrevista pessoal.

O professor Douglas Carvalho, que acompanhou os alunos à tarde, conta que é a primeira vez que uma turma faz um "trote às avessas". Acompanhando os jovens, o professor também iria doar sangue.

— Se eu desmaiar, os alunos me levam — brinca.

Gerson Basso, o diretor substituto do Hemocentro, classificou a atitude como uma "iniciativa extraordinária de solidariedade". Em média, cada pessoa pode doar até 450 mililitros de sangue. Cada bolsa coletada ajuda até quatro pessoas. A iniciativa da turma do CEP, portanto, vai beneficiar outros 280. Isso porque o sangue é fracionado em quatro partes (hemácias, plasma, plaquetas e crio) e depois distribuído para 52 hospitais no Estado.

Cláudio Cadury, 18 anos, doou sangue pela primeira vez. Ele descreveu a experiência como "nova":

— Até dá um medo na hora que vem a agulha, mas não dói.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.