Dia D

Força-tarefa mobiliza 60 mil militares e agentes contra o Aedes no Rio Grande do Sul

Todos os municípios gaúchos foram convocados para mobilização nacional deste sábado

Por: Vanessa Kannenberg e Paula Minozzo
13/02/2016 - 10h35min | Atualizada em 14/02/2016 - 19h56min
Força-tarefa mobiliza 60 mil militares e agentes contra o Aedes no Rio Grande do Sul Félix Zucco/Agencia RBS
Militares e agentes de saúde fizeram visitas em São Leopoldo Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Munidos de panfletos, camisetas e uniforme, aproximadamente 60 mil civis e militares saíram às ruas de todo o Estado  na manhã deste sábado para tentar vencer a guerra contra o Aedes aegypti, mosquito que está proliferando de forma acelerada dengue, chikungunya e zika vírus

Todos os municípios gaúchos foram convocados para a mobilização nacional, chamada de Dia D de combate ao mosquito. Mas ela não vai parar por aqui. Os agentes continuarão fazendo visitas a casas — com ou sem autorização do dono — e também irão às escolas.

Leia mais
Saiba como denunciar criadouros do Aedes aegypti
O que já se sabe sobre o zika vírus e o que ainda é dúvida
Médicos argentinos associam microcefalia a larvicida utilizado na água      

— A gente cria dentro de casa um mosquito que pode te matar, que pode causar microcefalia. Precisamos todos nos engajar — alertou o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, que esteve na Capital e participou, ao lado do governador José Ivo Sartori e do prefeito José Fortunati das primeiras visitas no bairro Partenon. 

Ministro Eduardo Braga, prefeito José Fortunati, general de exército Edson Leal Pujol, governador José Ivo Sartori e secretário estadual de Saúde, João Gabbardo participaram da abertura do Dia D na Capital Foto: Maria Eduarda Fortuna / Gaúcha

No total, 11 bairros da Capital estão sendo visitados ao longo do dia: Sarandi, Cristo Redentor, Três Figueiras, Independência, Floresta, Centro, Petrópolis, Bom Fim, Bela Vista, Partenon e Chácara das Pedras.

A casa de Vitor Antônio Alves Simões Pires, 12 anos, foi vistoriada no início da manhã, no Partenon. Logo no pátio de entrada, uma piscina de plástico parcialmente cheia chamava a atenção. Os agentes fizeram uma vistoria e reforçaram as medidas de preocupação, mas Vitor foi mais rápido:

— Ontem (sexta-feira) eu vi que tinha umas larvinhas na piscina. Chamei meu pai e a gente matou as larvinhas. Depois, cobrimos a água com um plástico — contou o menino, orgulhoso.

Em São Leopoldo, um dos municípios prioritários na Região Metropolitana, o secretário de Atenção à saúde do Ministério da Saúde, Alberto Beltrame acompanhou o início da ação no bairro Feitoria, junto ao prefeito Aníbal Moacir da Silva e uma equipe da Vigilância em Saúde. Cerca de 500 militares foram convocados com o objetivo de visitar entre 10 mil a 15 mil casas na cidade para a distribuição de panfletos e conscientização da população.

Segundo a bióloga Cíntia Cristina Hartmann, do Centro de Vigilância de Saúde, o município tem infestação do mosquito Aedes agypti, e atualmente, quatro casos suspeitos de dengue estão sob investigação no município. Não há nenhum registro de casos autóctones — contraídos no local — na cidade. 

Ainda pela manhã, o secretário estadual de Saúde, João Gabbardo, anunciou a suspensão de uso do larvicida Pyriproxyfen no Rio Grande do Sul. A medida é de precaução, já que o produto é suspeito de ser causador de microcefalia.   

Leia todas as notícias sobre o zika vírus


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.