Dinheiro pelo bueiro

Servidores que queriam fiscalizar contratos do DEP seriam ameaçados

Procuradoria-Geral do Município investiga denúncia de que haveria ordem para pagar serviços de terceirizadas fossem pagos na íntegra

Por: Adriana Irion
19/07/2016 - 03h01min | Atualizada em 19/07/2016 - 03h01min
Servidores que queriam fiscalizar contratos do DEP seriam ameaçados Arte de Edu Oliveira sobre foto de Adriana Irion / Agência RBS/Agência RBS
Zero Hora publicou, desde o dia 11, série de reportagens apontando irregularidades no DEP Foto: Arte de Edu Oliveira sobre foto de Adriana Irion / Agência RBS / Agência RBS

Ao mergulhar na rotina do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP) para apurar denúncias de pagamentos superfaturados em um contrato, servidores da Procuradoria-Geral do Município (PGM) encontraram um cenário de descontrole generalizado. Na Divisão de Conservação (Dcon), apenas uma pessoa era responsável por fiscalizar seis contratos de serviços espalhados por toda a cidade, entre os quais, o de limpeza de bueiros. Também chegaram ao conhecimento da PGM informações de que técnicos que tentavam fazer uma efetiva fiscalização sofriam constrangimento e acabavam afastados.

— Isso já chegou para nós. Por enquanto, estávamos ouvindo ex-diretores e gestores na comissão. Depois, vamos chamar essas pessoas — explicou a procuradora-geral do município, Cristiane Nery.

Leia mais:
DEP centralizava contratos de conservação em um fiscal

Depois de denúncias, mais um diretor do DEP é substituído
Sem fiscalização do DEP, limpeza terceirizada é superfaturada na Capital

Cristiane conduz uma comissão especial que está verificando problemas mais amplos no órgão. Durante a apuração da reportagem, ZH recebeu relatos de pessoas que sofreram pressão em relação à fiscalização de contratos. A ordem era de que os pagamentos para empresas terceirizadas (não só para JD ou Grimon) fossem sempre na íntegra, ainda que a execução não pudesse ser comprovada. Colocado na direção do DEP para adotar as primeiras medidas administrativas necessárias para o bom andamento dos serviços, o procurador-adjunto do município, Lieverson Perin, se surpreendeu com a rotina no órgão:

— Essa fiscalização (de seis contratos por uma pessoa) não era boa para a população. Poderia ser para alguém, mas para a população, não.

Perin disse que ficou "chocado" com o fato de os serviços estarem sendo atestados por um técnico sem a certeza de que foram realizados. Também chamou atenção dos interventores o fato de os contratos de manutenção das casas de bombas não estarem sob os cuidados de engenheiros eletricistas, que são técnicos no assunto.

Zero Hora publicou, desde o dia 11, série de reportagens apontando que a empresa JD Construções cobrava pela limpeza de bueiros que não existem, além de outros problemas, como o pagamento de R$ 9,1 milhões à Grimon para construção de uma casa de bombas que não funciona por erros de execução do projeto. O prefeito José Fortunati determinou intervenção no DEP e uma sindicância foi aberta. Diretores do órgão, ligados a PP e PMDB, pediram afastamento.

O diretor interino destacou que todos pagamentos de serviços estão suspensos e que está sendo feito inventário nas medições de atividades da JD. Perin confirmou que a ocorrência de cobranças a mais tem se confirmado em mais casos além dos que ZH noticiou.

O engenheiro que cuidava dos seis contratos era o diretor da Dcon, Paulo Guilherme Silva Barcellos. Na quarta-feira da semana passada, ele foi afastado da direção e, desde a sexta-feira, está em licença-prêmio. Procurado por ZH, Barcellos argumentou:

— Não tenho muito o que falar agora. Estou convocado pelo Ministério Público e estou procurando advogado. Só o que posso dizer é que estava assoberbado de trabalho, com muita coisa ao mesmo tempo, muito serviço, e não tinha condições de fazer uma fiscalização eficiente. Só isso que posso comentar.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.