Porto Alegre

Três anos depois do incêndio, Mercado Público segue em obras

Ainda não há data para reabertura dos restaurantes no segundo andar, na área afetada pelo sinistro

Por: Jéssica Rebeca Weber
26/07/2016 - 18h05min | Atualizada em 26/07/2016 - 18h12min

Esperando uma amiga no espaço de eventos do Mercado Público, área onde os restaurantes do segundo andar foram instalados provisoriamente após o incêndio de 2013, a vendedora Rochele Carvalho da Silva, 35 anos, carrega no sotaque porto-alegrense ao dar sua opinião sobre as obras no prédio:

— Bah, está demorando pra caramba, né?

Em julho, completaram-se três anos que o fogo destruiu cerca de 20% do prédio, mas o pavimento superior segue virado em um canteiro de obras. Foi ali, na área destinada aos restaurantes, que o incêndio começou. Apesar de todo esse tempo de restauração, não há data para a reabertura.

Leia também:
Gaúcho Oriental é transferido e placa "erra as contas" de centenário
Para driblar a crise, pipoqueiro da Rua da Praia cria o cartão "Smilhos" 
Uruguaio que vendeu churros por 40 anos na Redenção retoma atividades

Com verba do Ministério da Cultura, foram finalizados os trabalhos de alvenaria, revestimentos internos, esquadrias, telhado cerâmico, pisos, laje e recuperação da estrutura metálica da cobertura sobre o pátio central. De acordo com Carlos Vicente Gonçalves, coordenador de Próprios Municipais (que gerencia o Mercado Público e outros prédios do município), 85% dos trabalhos foram concluídos, e o atual estágio contempla a colocação das brises (quebra-sóis que reduzem a luz do sol), das telhas metálicas e a substituição da rede elétrica danificada.

No entanto, a conclusão dessa etapa não significa que o andar será reaberto integralmente: a prefeitura ainda precisa providenciar demandas do Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI) e de acessibilidade, além da limpeza final antes da reinauguração. Para cumprir esses requisitos, será necessário instalar dois elevadores, duas novas escadas metálicas, duas escadas rolantes e um reservatório para incêndio interno, e ainda não há dinheiro em caixa para isso. Vicente afirma que estão avançadas as negociações para que esses serviços entrem na contrapartida de um empreendimento na cidade — o nome da empresa não foi divulgado.

O coordenador de Próprios Municipais não dá nenhuma previsão, mas os donos de restaurantes estão com expectativa de voltar às salas originais até o final do ano. É o que Iara Rufino, 59 anos, dona da banca de sorvetes Beijo Frio, diz que lhe prometeram — e ela não vê a hora de retornar ao espaço "mais aconchegante":

— Era o meu canto... Estamos ansiosos para subir de novo.

Em 2014, a previsão para que o Mercado Público estivesse completamente restaurado era janeiro do ano seguinte. Contudo, à época do aniversário de dois anos do incêndio, a promessa da prefeitura era de reabrir o segundo andar até o final de 2015.

Vicente afirma que as obras fazem parte de um trabalho de restauro, o que gerou dificuldades para encontrar fornecedores e mão de obra especializada. O orçamento das telhas, por exemplo, demorou mais de seis meses, porque o modelo original já não era fabricado.

MAIS SEGURANÇA

Além dos cuidados para manter as particularidades do Mercado Público, que é patrimônio histórico e cultural de Porto Alegre, a equipe da prefeitura ainda precisa trabalhar para reduzir os riscos de novos sinistros — ainda mais com um histórico de quatro incêndios em 101 anos.

Sandra Laufer, engenheira civil que está acompanhando as obras, destaca que os materiais foram escolhidos para garantir mais segurança. O telhado foi isolado com uma laje de alvenaria e as tesouras que sustentavam as telhas agora são metálicas (antes, elas eram de madeira).

— Esses elementos propostos para a restauração asseguram que, se houver um incêndio, demorará mais para o fogo se propagar, dando recurso para que bombeiros ou brigada de incêndio possam apagá-lo — completa.

NOVAS OBRAS À VISTA

A reabertura do segundo andar não representará o fim das obras no Mercado Público. Ainda sem prazo para começar, haverá uma nova etapa de trabalhos utilizando o saldo de quase R$ 9,9 milhões previsto no compromisso do Ministério da Cultura, que incluirá videomonitoramento, sistema de refrigeração, melhorias na rede de água e esgoto, pintura de todas as fachadas e esquadrias, atualização do projeto elétrico, substituição da subestação de energia elétrica, restauração do telhado cerâmico da parte não danificada pelo incêndio e recuperação dos pisos do andar térreo.

— O desafio agora é entregar o mercado igual, para depois ser melhorado — explica Vicente.

* Colaborou Bárbara Müller

Leia as últimas notícias de ZH Pelas Ruas


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.