Porto Alegre

Acusado de matar cachorro a chute irá prestar serviços comunitários

Cabe à assistência social definir onde serão realizadas as 20 horas mensais

12/08/2016 - 17h37min | Atualizada em 12/08/2016 - 20h47min
Acusado de matar cachorro a chute irá prestar serviços comunitários Reprodução/Facebook
Theo tinha 11 anos e não resistiu aos ferimentos  Foto: Reprodução / Facebook

Se depender da professora Isabel Cristina Maciel Luz, 48 anos, o homem acusado de matar o seu cachorro Theo com um chute, em abril, vai pagar pelo crime prestando serviços a entidades de proteção animal. Ela fez a orientação após o Ministério Público e o acusado, Jorge Gilberto Lima dos Santos, firmarem acordo nesta quinta-feira para uma transação penal que extingue os processos de maus-tratos e ameaça que constam contra Santos. Cabe à assistência social, após entrevista com o denunciado, definir, com base no perfil de Santos, onde serão prestadas as 20 horas mensais, por até um ano, de serviços comunitários definidas no acordo.

— Para ele foi bom, pois essa transação termina agora com os processos. Portanto, ele não vai a julgamento, não tem sentença, não é condenado e continua como (réu) primário. Nem se pode dizer que ele é culpado, pois o processo se encerrou antes desta etapa — disse o advogado Carlos Neri Borges da Silva.

No entanto, conforme o Ministério Público, o acusado não pode cometer nenhuma infração criminal por cinco anos, sob pena de perder o benefício.

Segundo a professora, Santos teria chutado o seu yorkshire porque o cão fez xixi em frente ao prédio onde ele mora, no bairro Santana, em Porto Alegre, no dia 28 de abril. O denunciado, então, teria iniciado uma discussão com a dona do animal, antes de dar um chute em Theo, o arremessando para o outro lado da rua.

Mesmo tendo sido levado ao veterinário para uma cirurgia de emergência, Theo, que tinha 11 anos, não resistiu aos ferimentos. Diagnosticado com hemorragia interna e traumatismo craniano, além de ossos quebrados e fígado e baço fraturados, ele sofreu uma parada respiratória e morreu. 

Isabel guardou uma mecha de pelos de Theo como lembrança  Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

A filha de Isabel, Luyen Acosta, de 15 anos, contou que, quando Theo fez xixi no local e o vizinho a chamou, ela teria se virado para pedir desculpas, enquanto ele, de repente, chutava o cachorro por baixo da barriga. 

— Eu estou esperando que ao menos ele cumpra a pena em um abrigo de animais, para que os monstros como ele pensem duas vezes. Se for em um abrigo, eu vou me sentir melhor — disse Isabel.

A defesa de Santos não quis se pronunciar sobre a veracidade dos depoimentos de Isabel e Luyen:

— Não vamos entrar nesse mérito para não acalorar a discussão e não ofender mais a dona do cachorro. Optamos pelo acordo justamente para não entrar no mérito — finalizou Carlos Neri Borges da Silva.

Após denúncia da família, foi aberto um inquérito para investigar o caso na 11ª Delegacia de Polícia da Capital. Na semana seguinte foi marcada uma "cãominhada" para pedir justiça pela morte do yorkshire.


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.