Porto Alegre

Com homenagens, Colégio Dom Bosco retoma as aulas após assassinato de mãe de aluno

Minuto de silêncio, oração e roupas pretas e brancas marcaram a segunda-feira na escola da Capital

29/08/2016 - 08h06min | Atualizada em 29/08/2016 - 13h47min
Com homenagens, Colégio Dom Bosco retoma as aulas após assassinato de mãe de aluno Ronaldo Bernardi / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS / Agência RBS

Às 7h30min desta segunda-feira, o sino do Colégio Dom Bosco, em Porto Alegre, não tocou. No lugar do tradicional aviso de início das aulas, a escola optou pelo silêncio. O primeiro dia de retorno às atividades após a morte da mãe de um aluno em frente à escola foi marcado por homenagens e mensagens de paz.

Vestidos de branco, os professores optaram por deixar de lado o calendário letivo para se concentrar na recepção dos alunos, ainda abalados com a tragédia da última quinta-feira. Já os estudantes, no lugar dos uniformes azuis e vermelhos, escolheram vestir roupas pretas, em sinal de luto.

E foram os próprios jovens que, através de um grupo de WhatsApp, organizaram as ações que deram início à sequência de homenagens.

— Nossos alunos estão mobilizados, preocupados e motivados a lutar. Eles estão organizando várias manifestações, e resolvemos dar este espaço aqui na escola para eles, antes das atividades que já tínhamos programado — explicou uma das coordenadoras da escola, Maria Elvira Menegassi.

Leia mais:
Alunos do Colégio Dom Bosco fazem passeada para pedir segurança 
Vendedora morta em frente à escola festejava dia de bons negócios
Maratona de crimes e terror antecedeu morte de vendedora em frente à escola

Durante as primeiras horas da manhã, os mais de 250 estudantes se concentraram em fazer um minuto de silêncio, rezar e discursar pedindo paz. Conforme o aluno Gabriel Kury, 16 anos — um dos organizadores das manifestações —, o principal objetivo é não deixar a bandeira da segurança ser esquecida:

— Percebemos que não dá mais pra sair na rua. Nosso objetivo é retomar esse direito. A gente quer segurança. Queremos ser mais frequentes em protestos. Faremos a nossa parte — destacou Gabriel.

Com o discurso sempre voltado para mensagens de paz e solidariedade, Gabriel explicou que a ideia é seguir promovendo passeatas e instigar os colegas a participar cada vez mais ativamente das ações em prol da segurança:

- No grupo que eles têm no celular, quando algum perde o foco, se revolta, os demais puxam de novo pra o tema principal, que é a paz. É o que eles querem. E vão lutar por isso — comentou a coordenadora da escola.

Após os atos iniciais organizados pelos alunos, a escola promoveu uma ação que contou com a distribuição de fitas pretas e brancas, discursos dos professores, e a colocação de balões brancos em frente à escola, no local onde faixas pretas estavam expostas desde o final da semana.

Ao término das homenagens, os estudantes retornaram às salas para retomar as aulas.


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.