Segue o mistério

Dmae identifica melhora na água, mas causas de gosto e cheiro ruins ainda são desconhecidas

Enquanto segue buscando explicações para as alterações na água da Capital, prefeitura confirma contratação de empresa para novos exames

18/08/2016 - 18h53min | Atualizada em 18/08/2016 - 19h27min
Dmae identifica melhora na água, mas causas de gosto e cheiro ruins ainda são desconhecidas Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação / Divulgação

A partir de análises técnicas e da manifestação dos consumidores, o Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) identificou uma melhora nas condições de consumo da água em Porto Alegre. À exceção da zona central e algumas regiões mais ao sul da cidade, conforme o departamento, o gosto e o cheiro ruins, que marcam a água desde maio, estariam desaparecendo. A prefeitura, porém, ainda busca respostas para o surgimento do problema.

Leia mais:
Uma semana após suspensão de atividades, odor ainda é sentido nas imediações da Cettraliq
Relembre episódios que envolvem empresa investigada por alterações na água

O diretor-geral do Dmae, Antônio Elisandro de Oliveira, é cauteloso ao relacionar a inoperância da Cettraliq – empresa que teve as atividades suspensas há pouco mais de uma semana  por uma medida da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) – à melhora na água.

— A Fepam suspendeu essa empresa e é óbvio que existe uma melhora nos últimos dias, mas não nos compete fazer essa afirmativa — diz Elisandro.

As causas que levaram a água de Porto Alegre a ter cheiro e sabor — e agora, em alguns pontos, a não mais tê-los com tanta intensidade — permanecem um mistério. Para solucioná-lo, a prefeitura fechou contrato com uma empresa de Campinas (SP) que deve ser capaz de avaliar 478 parâmetros (o Dmae só analisa 150) e, talvez, identificar a origem dessas alterações.

O problema é que as amostras ainda precisam ser coletadas, o que ocorrerá em um momento em que as condições da água na Capital estão mais próximas ao normal. Isso pode comprometer os resultados. 

Esperada para o início do mês, a realização de novos testes de substâncias poluentes na água do Guaíba deve ficar somente para a semana que vem, ou depois. Os pontos de coleta devem aumentar de cinco para 15 e incluir, além da Zona Norte, bairros como Menino Deus e a Ilha da Pintada. O contrato com a empresa já foi acertado, mas falta ainda fazer o pagamento e agendar a coleta. A análise deve levar de 10 a 15 dias úteis. 

Leia também:
Água de Porto Alegre passa em testes pedidos por ZH
Consumidores desconfiam de que água esteja causando coceira e ardência nos olhos


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.