Crise na saúde

Hospital Porto Alegre demite 107 funcionários e busca novos convênios para se reerguer

Instituição enfrenta dificuldades depois do fim de convênio com a Prefeitura. Desligamentos ocorreram para "ajustar o quadro à estrutura"

Por: Zero Hora
03/08/2016 - 17h46min | Atualizada em 04/08/2016 - 11h57min
Hospital Porto Alegre demite 107 funcionários e busca novos convênios para se reerguer Marcelo Oliveira/Agencia RBS
Foto: Marcelo Oliveira / Agencia RBS

O Hospital Porto Alegre (HPA) teve 107 funcionários demitidos desde julho, de um quadro de aproximadamente 410 colaboradores. Os desligamentos ocorreram depois que o Instituto de Saúde e Educação Vida, instituição filantrópica que atua no Estado e em Santa Catarina, assumiu a administração, em uma tentativa de vencer a crise que acomete a casa de saúde.

Fabiano Pereira Voltz, coordenador regional do Instituto Vida, informou que a medida foi adotada para realizar os pagamentos em dia — há cerca de um ano, ocorriam parcelamentos, de acordo com ele — e para ajustar o quadro de funcionários à estrutura do hospital. 

Leia também:
Sem raio-x, mil pacientes são prejudicados por mês em hospital de Formigueiro
Prefeitura de Alvorada terá que devolver recurso ao Ministério da Saúde
Profissionais da saúde protestam por reajuste no Hospital de Clínicas

— Quando nós chegamos, nos deparamos com 30 leitos ativos e 412 colaboradores, um quadro que era muito acima do necessário para o número de leitos abertos. Antigamente, o hospital tinha mais de 100 leitos ativos, e o quadro de funcionários se manteve o mesmo desde aquela época — diz Voltz.

O objetivo da nova gestão é aumentar para 70 o número de leitos em dois meses, fazendo pequenas reformas e buscando o credenciamento de mais convênios e a retomada de atendimentos pelo Sistema Único de Saúde. Atualmente, há 50 leitos, conforme Voltz. Ele explica que o hospital não estava funcionando com plenitude em função da baixa procura.

João Paulo Machado, presidente da Associação dos Funcionários Municipais de Porto Alegre (AFM), destaca que a casa ficou sem receita quando a Prefeitura cancelou o convênio de 46 anos com a AFM — que era o principal convênio atendido no hospital. De acordo com informações da Secretaria Municipal de Administração, o convênio foi descontinuado em março de 2015 em função da criação de um plano de saúde para servidores municipais.

Diretor do Sindisaúde, sindicato que representa a categoria, Júlio Appel afirma que os funcionários estão sendo demitidos, mas não estão recebendo os valores das rescisões contratuais. Além de não poder sacar o FGTS, não conseguem encaminhar o pedido de seguro-desemprego. Mais de 20 demitidos já entraram na Justiça em busca dos direitos. 

— Já fizemos uma denúncia ao Ministério Público do Trabalho. Alguns trabalhadores ficaram sem condições de pagar o aluguel e estão indo morar com parentes. Outros estão se endividando — afirma Appel.

O diretor do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), André Gonzales, destaca que a entidade está acompanhando a situação do HPA há tempo, ciente dos rendimentos atrasados, e opina que a Prefeitura deveria "auxiliar o hospital a se reerguer".

— Ele já foi muito importante para o município e foi ficando sucateado. Mesmo assim, o Hospital de Porto Alegre tem um serviço de UTI que deveria ser melhor utilizado. O Simers quer ser parceiro para colocar aquela estrutura em funcionamento — diz. 

Leia as últimas notícias de Porto Alegre

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.