Mobilização

Ocupação no Hospital Porto Alegre não prejudica atendimento 

Grupo de ex-funcionários reivindica pagamento de rescisões 

Por: Fernanda Coiro
15/08/2016 - 12h29min | Atualizada em 15/08/2016 - 12h29min
Ocupação no Hospital Porto Alegre não prejudica atendimento  Marcelo Oliveira/Agencia RBS
Foto: Marcelo Oliveira / Agencia RBS

O atendimento no Hospital Porto Alegre segue sem prejuízos aos pacientes, apesar de 20 ex-funcionários ocuparem a área administrativa da unidade desde a última terça-feira. Eles reclamam que os valores das rescisões não foram pagos e as demissões não foram homologadas, o que os impediu de sacar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o seguro-desemprego.

Segundo o diretor de imprensa do Sindisaúde, Gilnei Borges, os mais de cem trabalhadores demitidos se revezam e permanecerão no prédio até que os valores sejam pagos.

Leia mais
Hospital Porto Alegre demite 107 funcionários e busca novos convênios 
Profissionais da saúde protestam por reajuste no Hospital de Clínicas
Superlotadas, emergências dos hospitais de Porto Alegre vivem momento crítico

Na última sexta-feira, o Ministério Público do Trabalho (MPT) mediou uma audiência buscando uma conciliação entre o Sindisaúde e os administradores do hospital, porém não houve avanço. A proposta dos administradores era de quitar os valores em 24 parcelas, alegando que não tem verba suficiente para pagar todas as 107 rescisões.

Segundo o procurador do Trabalho, Philippe Gomes Jardim, a proposta não foi aceita e a administração da entidade se comprometeu a entregar as carteiras de trabalho e homologar as demissões até amanhã (16), mas não sinalizou quando pagará os valores devidos.

O MPT também instaurou alguns procedimentos de investigação para verificar questões como atraso no pagamento de salários e demais questões trabalhistas. A direção do hospital esteve reunida nesta manhã e não atendeu a reportagem.

Leia mais notícias de Porto Alegre

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.