Porto Alegre

Peixes mortos surgem novamente no Parque Moinhos de Vento

Frio teria sido a causa do óbito de espécie exótica 

Por: Bárbara Müller
01/08/2016 - 19h59min | Atualizada em 01/08/2016 - 19h59min


Uma cena desagradável se repetiu no Parque Moinhos de Vento em Porto Alegre. O forte odor sentido por quem passa perto do lago do Parcão relembra um episódio que ocorreu no fim de junho: cadáveres de peixes que costumam viver no local surgiram na superfície da água.

— A gente espera vir aqui e ver os peixes no lago. Encontrar eles boiando é muito ruim — comenta a estudante Débora Straubichen, 22 anos.

A sujeira que também se faz presente no cenário incomoda os frequentadores. Para a professora Luciane Bandeira, 37, o local está um pouco diferente:

— Eu não recordo de ter esse forte odor e peixes boiando, antes era mais limpo. Em épocas que se trabalha tanto a importância de cuidar o ambiente em que vivemos, fico bem preocupada ao ver uma situação assim.

Veja também:
Baixas temperaturas provocam morte de peixes no Parque Moinhos de Vento
Com edital atrasado mais de um ano, revitalização da Rua da Praia demora a sair do papel

De acordo com a Equipe de Fauna Silvestre da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam), o grande fator para a morte das tilápias - tipo de peixe que foi encontrado no lago do Parcão - em parques públicos de Porto Alegre é o frio. A espécie é de clima quente, nativa da África, e muitas vezes é colocada em locais sem condições naturais adequadas. A qualidade da água pode até influenciar, mas a mortandade tem sido registrada somente em períodos de baixas temperaturas e não há qualquer indicativo de que a água nos lagos seja tóxica para os peixes.

Espécie exótica não resiste à temperaturas baixas Foto: Bárbara Müller / Agência RBS

A Smam possui uma equipe responsável pela remoção imediata desses cadáveres de peixes, seja através de vistorias de rotina, ou de denúncias pelo 156. A pasta alerta que os lagos em parques e praças não são adequados para esses animais, e também levanta a hipótese de que os peixes que lá foram encontrados são colocados pela população.

No fim de junho, após dias de frio intenso que marcaram o fim do outono e o início do inverno na Capital, o mesmo episódio impressionou os frequentadores do local. No entanto, de acordo com a Smam, o aumento no número de mortes é considerado normal.

Leia as últimas notícias de ZH Pelas Ruas


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.