Câmara de Porto Alegre

Projeto sobre o Uber terá urgência votada na segunda-feira

Caso aprovada, medida fará com que a proposta seja apreciada por uma comissão única. A votação da proposta, no entanto, só deverá ser realizada em setembro, após a reforma do Plenário Otávio Rocha

Por: Fernanda da Costa
11/08/2016 - 13h59min | Atualizada em 11/08/2016 - 14h08min
Projeto sobre o Uber terá urgência votada na segunda-feira Tadeu Vilani/Agencia RBS
Vereadores decidiram nesta quinta-feira colocar a urgência do projeto em votação Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

O regime de urgência para a votação do projeto de lei que regularizará serviços de transporte por aplicativo, como o Uber, será decidido na segunda-feira. Caso aprovada, a medida fará com que a proposta seja apreciada por uma comissão única. 

Assim, o projeto não precisaria passar pelas comissões da casa relacionadas a sua área de abrangência, o que agilizaria o trâmite. A votação do projeto, no entanto, só deve ocorrer quando a reforma do Plenário Otávio Rocha for concluída. A estimativa é que a obra termine em cerca de 30 dias.

Leia mais:
Usuários do Uber reclamam de queda na qualidade do serviço
ZH testa o primeiro dia do aplicativo WillGo em Porto Alegre

O requerimento de urgência ao projeto foi protocolado pelo vereador Kevin Krieger (PP), líder do governo. Segundo o parlamentar, o governo espera que a proposta seja apreciada pelo plenário antes das eleições.

— A gente acredita que uma boa parte dos vereadores quer votar o projeto, porque está muito ruim esse clima na cidade de brigas e confusões — explica Krieger.

O vereador ainda afirmou que motoristas do Uber hoje estão com a "espada na cabeça", porque pode ter o carro apreendido a qualquer momento. Outro problema seria o fato de que o município não está arrecadando nada com o serviço, pela falta de regulamentação.

Contrário ao requerimento de urgência do projeto, o vereador Clàudio Janta (SDD) afirma que não há necessidade de agilizar a discussão. O parlamentar argumenta que alguns pedidos de diligência sobre a proposta ainda não tiveram retorno. 

Apenas Janta fez quatro pedidos de diligência. O primeiro aos próprios aplicativos, solicitando o número de funcionários que eles querem cadastrar. O segundo ao Conselho Municipal de Trânsito, para avaliar o impacto dos serviços na área. O terceiro à Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP), para saber se o cálculo da tarifa do transporte público, que é calculada levando em conta o número de passageiros, pode ser alterada com a regulamentação dos aplicativos. E o quarto à Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), solicitando a finalização de um estudo sobre a necessidade de ampliação da frota, que teria sido iniciado com a instalação dos aparelhos de GPS na frota.

 — Há dois anos, os taxistas procuraram a EPTC pedindo para ampliar a frota e criar um serviço de táxi executivo. A empresa instalou aparelhos de GPS nos carros para realizar um levantamento sobre a necessidade de ampliação da frota, que hoje custam R$ 82 por mês aos taxistas, mas o estudo ainda não ficou pronto — relata.

Diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari relatou que o estudo técnico é feito de forma contínua e possui muitas variáveis. 

— Pelos dados que a gente tem hoje, dificilmente seria necessário ampliar (a frota) — afirmou.

Taxistas foram à Câmara pedir apoio vereadores

Pela manhã, dezenas de taxistas compareceram à Câmara de Vereadores na tentativa de pressioná-los a não colocar o pedido de urgência do projeto para votação na segunda-feira. Eles argumentam que é preciso de mais tempo para discutir a proposta.

— Com essa comissão (conjunta), os vereadores não terão tempo de analisar o projeto com calma. Estamos visitando os líderes de bancada para tentar apoio — afirmou Maurício Pereira, integrante da Associação dos Permissionários Autônomos de Táxi de Porto Alegre (Aspertáxi).

Leia mais sobre Porto Alegre

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.