Resistência na praça

Feira do Livro de Porto Alegre terá edição mais enxuta em 2016 

A 62ª edição do evento será realizada de 28 de outubro a 15 de novembro com menos recursos, estrutura menor e sem destaques internacionais 

Por: Alexandre Lucchese
26/09/2016 - 06h06min | Atualizada em 26/09/2016 - 06h06min
Feira do Livro de Porto Alegre terá edição mais enxuta em 2016  Lauro Alves/Agencia RBS
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Quem passar pela Praça da Alfândega a partir do dia 28 de outubro ficará com a impressão de que a Feira do Livro de Porto Alegre encolheu. Não estará errado. A 62ª edição do evento, que se estenderá até 15 de novembro, será bastante enxuta, por conta da recessão econômica vivida no país. Para a Câmara Rio-grandense do Livro (CRL), não é motivo para desânimo. Depois de divulgar, na última sexta-feira, a lista dos "patronáveis" deste ano, Marco Cena Lopes, presidente da entidade, não demonstrou pessimismo:

— Esta será uma Feira do Livro de resistência, de manter a qualidade do evento, para poder voltar a crescer nos anos seguintes.

Conheça os patronáveis da Feira do Livro de Porto Alegre de 2016
Reportagem especial celebra os 80 anos de Luis Fernando Verissimo

André Neves, Caio Riter, Cíntia Moscovich, Claudia Tajes e Luís Dill são os cinco candidatos a patrono deste ano. O nome do escolhido deve ser divulgado até o dia 7 de outubro, depois de eleição em que votam empresas associadas à CRL, ex-presidentes da Câmara, ex-patronos e representantes da comunidade cultural.

Enquanto o colegiado decide seus votos, a organização da Feira do Livro corre em busca de patrocinadores para fechar um rombo de quase R$ 300 mil que faltam para completar os R$ 925 mil liberados para captação de recursos pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC-RS), principal via para se obter verba para o evento. Mesmo que consiga captar esse montante, a conta ficará abaixo do valor de R$ 1,1 milhão recebido por meio da LIC-RS em 2015.

Com a escassez de recursos, a Feira do Livro tem lançado mão de parcerias com instituições privadas e de intercâmbio cultural para trazer escritores convidados. As atrações ainda não foram divulgadas, mas o evento, que já recebeu nomes como Mario Vargas Llosa, Gilbert Shelton (criador dos Freak Brothers) e o best-seller Paulo Coelho, não deverá ter nenhum grande destaque internacional.

— Não estamos prevendo nenhum nome desse porte —  diz Marco Cena.

O número de bancas não deverá diminuir em 2016, mas a Praça da Alfândega estará mais vazia. Para diminuir custos de infraestrutura, a área internacional será realocada para o Memorial do RS, assim como muitas das atividades infantis. Além disso, por conta de uma obra, metade da alameda que ficava sobre a Rua dos Andradas não poderá ser ocupada.

Marco Cena, presidente da CRL nas duas feiras mais recentes, acredita que este não é um momento para lamentar o cenário econômico difícil, mas para encontrar novas soluções para realizações futuras.

—  Temos que depender cada vez menos do poder público para viabilizar eventos como esse. Precisamos inventar alternativas, buscar apoio na iniciativa privada. É preciso que os empresários se conscientizam da importância da cultura e da educação. Pensando assim, vamos delinear nossas próximas edições.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.