Cuidado com animais

Hospital veterinário público será entregue à prefeitura de Porto Alegre nesta quarta-feira

A partir de então, terão início montagem e compra de equipamentos 

Por: Camila Kosachenco
18/10/2016 - 20h38min | Atualizada em 18/10/2016 - 20h42min

Muita coisa mudou do fim de maio para cá no número 3.489 da Estrada Bérico José Bernardes, no limite da Capital com Viamão. O canteiro de obras com operários, caminhões e vergalhões de ferro deu espaço a um prédio envidraçado e imponente que sediará o primeiro hospital público para animais de Porto Alegre: a Unidade de Medicina Veterinária Victória. 

Com investimento milionário do empresário gaúcho Alexandre Grendene, a estrutura será entregue oficialmente à Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda) nesta quarta-feira. A partir de então, vai ser dado o pontapé inicial na montagem e compra dos equipamentos que faltam para que, até o começo de 2017, a instituição esteja funcionando. 

— A obra começou em abril e, em seis meses, foi entregue, conforme previsto. Temos as próximas etapas, que são algumas licenças para funcionamento, como a sanitária, por exemplo. Trabalhamos com a ideia de deixar tudo pronto até o fim de 2016 para abrir as portas no próximo ano — estima a secretária-adjunta da Seda, Fabiane Tomazi Borba. 

Leia mais:
Obra do hospital veterinário público já ganha forma em Porto Alegre
Crianças levam seus animais para ganhar a bênção em escola de Porto Alegre
As últimas notícias de Porto Alegre

Antes de determinar uma data exata para a mudança de prédio – hoje, a Unidade de Medicina Veterinária funciona no mesmo terreno –, a prefeitura ainda precisa tomar algumas decisões referentes à gestão clínica – a parte administrativa fica a cargo do poder público. Um grupo formado por representantes da Seda, da Procuradoria-Geral do Município e do gabinete do prefeito estudam duas possibilidades: uma parceria com alguma instituição de ensino ou a contratação de especialistas pela administração pública. 

— Devemos definir este modelo até a primeira quinzena de novembro — garante Fabiane. 

Se a parceria for o modelo escolhido, caberá ao município estabelecer um convênio com a instituição, disponibilizando verbas para a execução das metas estabelecidas em relação aos atendimentos. Já em caso de contratação, será necessário um concurso que contemple as diversas especialidades que serão oferecidas pela unidade. 

A estrutura Com mais de 1,6 mil m², a unidade abriga cinco salas de cirurgia, quatro consultórios, alas para internação, setores de quimioterapia e de exames de imagem e laboratório de análises clínicas, tudo em ambiente climatizado. Assim que abrir as portas, o hospital poderá receber até 270 animais, inclusive aqueles com doenças infectocontagiosas, que serão encaminhados para uma área de isolamento total.  

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.