Transporte

Justiça determina devolução de carro do Uber apreendido em blitz 

Veículo estava retido desde 16 de setembro

17/10/2016 - 15h21min | Atualizada em 17/10/2016 - 18h52min
Justiça determina devolução de carro do Uber apreendido em blitz  Omar Freitas/Agencia RBS
Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Um motorista do Uber que teve o carro apreendido pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) conseguiu na Justiça o direito de reaver seu veículo. O carro estava apreendido desde o dia 16 de setembro, quando foi retido pela EPTC durante blitz na Avenida Guilherme Shell, no bairro Santo Antônio em Porto Alegre. Além de devolver o carro, a EPTC não poderá cobrar a multa e os valores do depósito, conforme a decisão judicial.

Na época, a abordagem gerou revolta de motoristas do Uber. Eles relataram que foram chamados através do aplicativo e quando paravam no local da chamada os agentes faziam a abordagem. Conforme os motoristas, os próprios azuizinhos estavam solicitando as corridas. O fato foi negado pela EPTC, que disse se tratar de uma abordagem de rotina.

Leia mais
Uber ganha espaço no transporte de estudantes em Porto Alegre
Uber reúne nesta sexta interessados em operar o serviço em Caxias

A defesa do motorista ingressou com mandado de segurança e obteve êxito na 11ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre. Na decisão, o juiz citou que, embora enquadrado como transporte clandestino de passageiros, que prevê multa e medida administrativa de retenção do veículo, essa retenção não implica, necessariamente, na transferência para depósito, mas apenas impede sua circulação até que sejam sanadas as irregularidades.

– Nós conseguimos o entendimento do juiz de que essa atividade não está enquadrada no código de trânsito brasileiro e o veículo não pode ficar recolhido – explicou o advogado do motorista, Felipe Sant'Anna.

A EPTC  informou que já foi notificada sobre a decisão e que a liberação se refere apenas ao veículo e não ao serviço de transporte de passageiros. Conforme a empresa, a decisão de liberação judicial pode ocorrer para qualquer tipo de transporte irregular, e ressalta que o enquadramento de transporte clandestino de passageiros é feito com resguardo na lei municipal e não no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). 

Conforme a EPTC, o motorista que for identificado nas blitze fazendo transporte clandestino de passageiros está sujeito a multa de aproximadamente R$ 7 mil, além das despesas de guincho e depósito. O veículo fica retido até que o proprietário faça o pedido de liberação e enquanto tramita o processo administrativo referente a isso. O carro pode ser retirado mesmo sem o pagamento da multa.

*Zero Hora e Rádio Gaúcha


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.