Depois do incêndio

Cansados de abandono, comerciantes pedem para gerir Mercado Público

Prédio sofre com falta de manutenção, que multiplica goteiras e levou ao desabamento do telhado em um dos banheiros

07/02/2017 - 03h00min | Atualizada em 07/02/2017 - 03h19min
Cansados de abandono, comerciantes pedem para gerir Mercado Público André Ávila/Agencia RBS
Foto: André Ávila / Agencia RBS  

A prolongada interdição de parte do segundo piso, desde o incêndio de julho de 2013, não é o único problema do Mercado Público de Porto Alegre. O restante do prédio sofre com falta de manutenção, que multiplica goteiras e levou ao desabamento do telhado em um dos banheiros no mês passado. As dificuldades fazem os comerciantes defender a ideia de que eles assumam a gestão do local, em vez da prefeitura.

Há um mês, uma viga cedeu e duas caixas d'água — com capacidade para 2 mil litros cada uma — desabaram sobre um banheiro feminino durante a madrugada. O espaço foi interditado. Quando chove, problemas nas calhas espalham goteiras pelo espaço interno.

Leia mais:
Quase pronto, Mercado Público precisa de R$ 2 milhões para reabrir
Prefeitura terá de explicar à Justiça demora para reabrir segundo piso

Por razões como essas, a Associação do Comércio do Mercado Público pretende apresentar ao prefeito um projeto para que os permissionários administrem tarefas como manutenção e limpeza. Hoje, o pagamento de condomínio e permissão de uso gera cerca de R$ 320 mil mensais, que vão para o município.

— A situação no mercado é muito difícil. Temos problemas com goteiras, de esgoto, de limpeza. Se nós assumirmos essas tarefas, teremos muito mais agilidade para resolver os problemas — argumenta o presidente da associação, Ivan Konig Vieira.

Até 2008, uma empresa respondia pelo serviço de manutenção. Ela faliu, e não foi realizada outra licitação. Vieira afirma que os comerciantes poderiam bancar cerca de R$ 4 milhões em reformas, que melhorariam os problemas e incluiriam a adaptação do prédio à lei contra incêndios, para reabrir o segundo piso. O prefeito Nelson Marchezan diz estar disposto a ouvir a proposta:

— O Mercado Público pode ser muito melhor usufruído, mas ainda vamos estudar o melhor modelo de gestão. Qualquer que seja, deverá contar com a participação dos comerciantes.

*ZERO HORA

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.