Sem verbas

Com dívidas de R$ 45 milhões, prefeitura não tem data para retomar obras da Copa 2014

Ainda falta concluir 12 projetos de mobilidade urbana na Capital

Por: Guilherme Justino
16/02/2017 - 11h41min | Atualizada em 17/02/2017 - 13h36min
Com dívidas de R$ 45 milhões, prefeitura não tem data para retomar obras da Copa 2014 Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Obra da Cristóvão Colombo está 85% concluída, mas não tem data para terminar Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS  

Paradas ou em ritmo lento, as obras de mobilidade urbana previstas para a Copa de 2014 agora não têm mais nenhum prazo de conclusão definido. Dívidas de R$ 45 milhões do município com fornecedores impedem a retomada dos projetos. São 10 obras inacabadas e duas que sequer começaram: um viaduto no cruzamento da Avenida Plínio Brasil Milano com a Terceira Perimetral e a segunda parte da duplicação da Voluntários da Pátria.

Leia mais:
Três obras da Copa precisam de menos de R$ 5 milhões da prefeitura para serem concluídas
Orla do Guaíba: veja o que foi feito e o que ainda falta terminar

Em entrevista nesta manhã, secretários da prefeitura da Capital mostraram o panorama dos projetos. Com a falta de recursos na prefeitura, o secretário de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, Elizandro Sabino, não arrisca nenhum prazo para retomar as obras e, muito menos, para concluí-las. 

— Depois que o pagamento das dívidas foi suspenso, vimos que não há como prever se vamos terminar as obras neste ano — afirmou.

Dos R$ 45 milhões devidos a fornecedores — com valores reajustados pela inflação —, R$ 20,5 milhões se referem a pagamentos atrasados de sete obras já concluídas. Também está atrasado o repasse de R$ 5,98 milhões às empresas que realizam a fiscalização das obras. Na apresentação, os secretários não anunciaram quais projetos serão priorizados.

A alternativa será, novamente, buscar financiamentos. O prefeito Nelson Marchezan e o secretário da Fazenda, Leonardo Busatto, devem se reunir com representantes da Caixa na sexta-feira da próxima semana para tentar financiar o que devem às empresas por serviços já prestados. Sem isso, não há qualquer expectativa de as máquinas voltarem a funcionar nas obras inacabadas.

— O objetivo é não investir qualquer recurso do cofre da prefeitura nisso (nas dívidas com as empresas). Esse é um dinheiro que vai para o pagamento dos funcionários e para as creches municipais, e vamos priorizar o que é mais importante. Não temos dinheiro para tudo — avalia Busatto.

Entre as obras em andamento — algumas com 90% ou mais já concluídos — estão as trincheiras da Anita Garibaldi, da Cristóvão Colombo e da Ceará, o prolongamento da Severo Dullius e os corredores BRT da Bento Gonçalves, da Protásio Alves e da João Pessoa. Apenas sete obras de mobilidade urbana previstas para a Copa foram concluídas.

Das 10 obras em andamento na Capital, sete poderiam ser terminadas ainda neste ano se houvesse recursos para recomeçarem imediatamente. As trincheiras da Anita e da Ceará, conforme a prefeitura, poderiam ser concluídas ainda no primeiro semestre se os R$ 4,6 milhões em dívidas com as empresas responsáveis fossem pagos. Pela projeção dos técnicos, apenas a pavimentação do corredor da João Pessoa e a duplicação da Avenida Tronco ficariam para o ano que vem se as obras fossem retomadas hoje.

Mesmo entre obras consideradas "em andamento" pela prefeitura, porém, os trabalhos estão parados. Sem repasse de recursos, a duplicação da Avenida Tronco foi totalmente abandonada pela construtora, assim como o trecho que falta para concluir a trincheira da Anita. Na semana passada, também foram paralisados os trabalhos no prolongamento da Severo Dullius.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.