Água com gosto e cheiro

Primeiros exames em amostras coletadas na casa de pessoas que passaram mal após consumo de água dão negativo

Dmae informou que foi descartada a presença de coliformes totais e Escherichia coli em amostras coletadas em duas casas na Capital

28/02/2017 - 17h14min | Atualizada em 28/02/2017 - 19h35min
Primeiros exames em amostras coletadas na casa de pessoas que passaram mal após consumo de água dão negativo Mateus Bruxel/Agencia RBS
Viviane tem receio de oferecer o líquido às filhas Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS  

O Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) recebeu no final da tarde desta terça-feira o resultado dos primeiros exames realizados em amostras de água coletadas em duas residências de pessoas da Capital que relataram problemas digestivos após o consumo de água. Desde o dia 20 de fevereiro, a prefeitura tem recebido uma média de 20 reclamações diárias pelo telefone 156. As queixas referem-se a gosto e cheiro ou cor alterada e turbidez da água.

Foi considerada negativa (zero) a presença de coliformes totais e Escherichia coli (a presença desta bactéria na água se deve à contaminação com fezes). Nesta quarta-feira, deve sair o resultado dos testes que apontarão se havia bactérias heterotróficas (que alimentam-se principalmente da matéria orgânica, que conseguem decompondo organismos mortos) na água. Na última segunda-feira, o Dmae coletou amostras de água em duas casas dos bairros São Geraldo e Rubem Berta, cujos moradores relataram problemas digestivos após o consumo. As queixas chegaram ao departamento por meio do Twitter. 

Leia mais:
Dmae ainda busca explicação para água com cheiro e gosto na Capital
Dmae garante que água com cheiro e gosto em Porto Alegre é potável

Com temperaturas superando a marca de 30ºC, abrir a torneira e receber uma água turva, com mau cheiro ou gosto ruim, tem sido uma desagradável rotina para moradores de diversos bairros de Porto Alegre.

— Eu percebi que há uma semana a água está com gosto ruim. Mesmo fervendo não sai o gosto de terra. A qualidade da nossa água deveria ser melhor — comentou a cuidadora de idosos Viviane Mohr da Costa, 41 anos, do Bairro Partenon.

Mesmo sabendo que a água está potável — em nota divulgada na segunda-feira, o Dmae informou que a água da Capital segue dentro do padrão de potabilidade estabelecido pela portaria 2914/2011 do Ministério da Saúde — Viviane tem medo de oferecer o líquido às filhas Vanessa, um ano e sete meses, e Lara, dez anos.

— Eles falam que não tem problema, mas tenho medo de dar e depois elas terem diarreia ou uma alergia — contou a moradora que está tendo uma despesa extra com água mineral.

Leia outras notícias

O policial militar Sandro Scheffer, 47 anos, também morador do Bairro Partenon, foi um dos consumidores que entrou em contato com o Dmae para relatar problemas com a água. Na avaliação dele, o cheiro de cloro tem se destacado na água, assim como a turbidez.

— Eu sinto o gosto principalmente no café. A gente paga para ter uma água de qualidade, mas não está tendo — reclama o morador que optou por comprar um filtro de barro para amenizar o problema.

Sandro nota cheiro forte de cloro na água Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Estoque esgotado

Até o momento, o problema não parece ter relação com algas no Guaíba, conforme o Dmae. Essas alterações podem estar relacionadas ao período de verão e de estiagem, o que altera as condições do Guaíba.

O diretor-geral interino do Dmae, Rafael Zaneti, disse que foi feita a limpeza de dez locais da rede na segunda-feira, mas que não foi encontrado nenhum aspecto que apontasse para as causas do problema relatado pela população. Habitualmente, o departamento faz testes na água em 20 pontos de coleta da rede — que avaliam cor, PH, Escherichia coli, teor de cloro, entre outras condições _ e, até o momento, não apareceram alterações.

Procura por água mineral aumentou no mercado de Rosângela Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

— Faz duas semanas que enchi uma garrada de água para gelar e a cor estava marrom. Hoje está bem turva — observou a comerciante Rosângela Dias, 48 anos, do Bairro Partenon, que chegou a ter esgotado o estoque de água mineral de seu comércio por conta da procura pelos vizinhos.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.