Masterplan

Reformulação do 4º Distrito, em Porto Alegre, prevê mais moradores

Ideia do projeto é contar com implantação de campus universitários

13/02/2017 - 03h01min | Atualizada em 13/02/2017 - 03h01min
Reformulação do 4º Distrito, em Porto Alegre, prevê mais moradores Carlos Macedo/Agencia RBS
Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS  

Coordenador do Masterplan — projeto apresentado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) para revitalizar o 4º Distrito, em Porto Alegre —, o arquiteto e doutor em Urbanismo Benamy Turkienicz afirma que a iniciativa foi pensada para garantir uma ocupação racional dos espaços da região. 

Isto inclui, por exemplo, a previsão de um número de moradores suficiente para garantir a utilização dos novos espaços verdes a serem criados, ainda assim sem superpovoar a região — a densidade demográfica chegaria à metade da prevista por metro quadrado no Plano Diretor da cidade.

Leia mais:
Prefeitura quer usar revitalização do 4º Distrito como modelo
Implantação total do Masterplan, na Capital, deverá durar três décadas

— Podemos comparar uma área de quatro quadras com 50 pessoas morando em cada uma delas com outra área de quatro quadras com 300 moradores em cada uma. Ou seja, 200 pessoas geram uma demanda. Já 1,2 mil geram outra bem superior — afirma Turkienicz. — As praças têm de ser proporcionais ao tamanho do número de pessoas que vai ocupá-las. O que faz uma praça ficar abandonada é a densidade. Sem tem poucas pessoas que moram em volta da praça, ela está condenada a ficar abandonada.

Segundo o coordenador do projeto, a área entre as Avenidas Farrapos e Voluntários da Pátria incluída no Masterplan conta atualmente com cerca de 9 mil moradores. A ideia é ampliar o número em pelo menos cinco vezes, contando inclusive com o surgimento de novos campus universitários que podem ser instalados no 4º Distrito:

— Temos 6 mil ou 7 mil pessoas que moram nas ilhas em condições precárias e que poderiam morar nessa região. A UFRGS teria condições de colocar imediatamente 5 a 7 mil estudantes. Acho que poderiam morar, facilmente, 60 mil pessoas ali até 2047.

Uma das ideias é transformar a Rua Santos Dumont — paralela às Avenidas Farrapos e Voluntários da Pátria e transversal à Avenida São Pedro — na Via da Inovação. Conforme Turkienicz, esta seria a primeira intervenção urbanística a ser posta em prática no 4º Distrito. Nela, deverão ficar os campus de instituições de ensino que já manifestaram intenção de expandir suas atividades para a região:

— Queremos tirar fios elétricos, implantar fibra ótica, oferecer calçadas mais largas e ciclovias, tudo vinculado, claro, às atividades acadêmicas e ao comércio que terá ao longo da Via da Inovação.

Membro do Grupo de Apoio a Revitalização do Bairro Floresta (Refloresta) e um dos gestores da Associação Cultural Vila Flores, área em processo de revitalização em um conjunto considerado patrimônio histórico na Rua São Carlos (número 759), João Wallig considera o Masterplan "interessante e atual", com "soluções urbanísticas contemporâneas" para a região.

— Com isso, acaba sendo um guia do urbanismo moderno. Contempla várias vocações do novo urbanismo, sobre como fazer urbanismo na cidade grande, incluindo moradia social e acessibilidade. Não deve ser considerado só um projeto para o quarto distrito. Pode ser um piloto para a cidade — aposta Wallig.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.