Transporte público

Em três meses, EPTC aplica 2 mil autuações a empresas de ônibus de Porto Alegre

Média de cada autuação é de R$ 300; irregularidades ocorrem por atraso na tabela horária e veículos com condições ruins

28/03/2017 - 17h24min | Atualizada em 28/03/2017 - 20h33min
Em três meses, EPTC aplica 2 mil autuações a empresas de ônibus de Porto Alegre Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS  

Somente nos primeiros três meses de 2017, a EPTC aplicou mais de 2 mil autuações a empresas de ônibus de Porto Alegre por irregularidades nos ônibus, como atraso na tabela horária e condições ruins dos veículos. A média do valor de cada autuação é de R$ 300, o que, no total, faz com que a dívida chegue a R$ 600 mil. As informações são da Rádio Gaúcha.

Leia mais: 
Prefeito deve decidir até sexta-feira sobre a nova passagem de ônibus  
Veja resultados de pesquisa sobre tarifa de ônibus  
Prefeitura pede na Justiça que PSOL pague R$ 5 milhões a empresas de ônibus

Com as autuações às empresas, a EPTC pode aplicar sanções, conforme previsto no edital de licitação. Em entrevista ao Gaúcha Repórter, o diretor-presidente da EPTC, Marcelo Soletti, afirmou que as atividades de fiscalização da tabela horária são feitas diariamente, no começo da manhã e no fim da tarde. Além de descumprimento de horário, a EPTC identificou ônibus com assentos sujos ou molhados já na primeira viagem:

– Fazemos vistoria todos os dias nas garagens. São visitas não programadas, espontâneas e aleatórias. Avaliamos reclamações da população, que são principalmente de tabela horária, e seguimos nessas linhas com a fiscalização diária – explica.  

Com a instalação dos GPS nos ônibus, que está em período de testes, Soletti acredita que a fiscalização será facilitada, pois poderá ser feita tanto pela EPTC quanto pelos usuários. O projeto-piloto, que pode ser verificado pelo aplicativo Moovit, já foi implantado em ônibus das linhas T1 e T12. Até o fim de abril, deverá ser estendido para as linhas T5, T7 e T2. Depois do período de testes, as empresas operadoras poderão adquirir o produto, e há uma expectativa de que, até o fim de 2017, o sistema esteja em boa parte ou na totalidade das linhas.

Começou nesta semana também o teste do sistema de reconhecimento facial na linha T1. O sistema evita a má utilização dos benefícios e, assim, algumas gratuidades poderão ser canceladas, o que impacta no valor da tarifa. Até o fim do ano, Soletti espera que toda a frota tenha o sistema de reconhecimento facial.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.